Mural Brasil: uma contribuição da FAAP à revitalização do bairro de Higienópolis.

Após processos de limpeza e eliminação de resíduos ocasionados pela ação do tempo, operações para proteger e saturar as cores e realização de reparos estruturais, o Mural Brasil, situado no muro da sede da FAAP, na esquina das ruas Armando Alvares Penteado e Avaré,  ganhou vida e projeção novamente, através de um projeto de iluminação que valorizou sua pintura e realçou suas cores.

O Mural foi realizado em 1983, pelo artista Walter Kershaw e equipe formada por sua mulher, Hillary, e 26 estudantes da FAAP, para a exposição itinerante Painting the Town. Promovida pelo British Council na América Latina, a mostra apresentou, em São Paulo, 90 murais no MASP, além do painel in loco do pintor.

O painel apresenta uma sequência de imagens materializando a ideia que o artista propunha do Brasil, com base em informações que já tinha e em impressões que registrava, a partir do contato com a realidade. Lido da esquerda para a direita, descreve paisagens, cenas cotidianas, alusões ao mundo natural, referências tradicionais e repertório contemporâneo. Ao eleger imagens de montanhas, índios, tratores, onças, flores, pássaros, indústrias e arranha-céus, o artista evidenciava a convivência no país de realidades agrícolas e industriais, rurais e urbanas.

Para a iluminação , foram instalados 16 projetores (Terra Maxi – Refletor 1447) embutidos na calçada, com lâmpadas de vapor metálico 70W/830 fabricados pela Scheréder. O projeto luminotécnico foi feito pelo engenheiro Plínio Godoy, responsável pelos projetos de iluminação do Teatro Municipal, Museu do Ipiranga, Tribunal de Justiça e Ponte Estaiada, entre outros. O gerenciamento da implantação do sistema de iluminação foi realizado pelo Engenheiro Cláudio Helú.

Para a restauração, foi contratada a empresa Julio Moraes Conservação e Restauro, especializada em recuperação de pinturas murais. O projeto conta com o acompanhamento dos alunos do curso de Artes Plásticas da FAAP.

Ao longo de sete meses de trabalho, foram realizados procedimentos de limpeza para a retirada de resíduos de vegetação, estabilização da pintura, preenchimento de fissuras e trincas, e testes de reintegração pictórica.

Os trabalhos incluíram a documentação fotográfica e o levantamento detalhado do estado e mapeamento de danos, além da obturação de defeitos da superfície. A limpeza e a eliminação de manchas prepararam a superfície para a reintegração cromática final.

Todos os procedimentos têm sido realizados de acordo com critérios éticos e técnicos adotados internacionalmente, como respeito à obra original, reversibilidade dos processos empregados, adição do mínimo possível de materiais, adequação química e física de materiais - a fim de evitar novas deteriorações - e registro da intervenção, com as diretrizes para a conservação futura do elemento restaurado.

O artista Walter Kershaw

Walter Kershaw nasceu em 1940, em Rochdale, Lancashire, Inglaterra, e obteve o grau de bacharel em Artes pela Durham University. Especializado em pintura de murais, atuou como artista independente em Nova York, São Francisco e Paris. Trabalhou para o Exército como “artista de guerra” na Irlanda do Norte e pintou em áreas de construção na Escócia, para a North Sea Oil. Seu nome tornou-se referência para a pintura mural britânica e há trabalhos de sua autoria em diversas cidades inglesas.

Em seus depoimentos do período, o artista afirmava que foi decisivo para seu trabalho conhecer os murais publicitários norte-americanos, sua eficácia e sua motivação em desenvolver painéis desvinculados de intenções comerciais ou políticas, mas voltados à experiência da arte. Ele também enfatizou sua crença na necessidade de obras de arte nas cidades contemporâneas e dos murais como obras acessíveis.