Semana de Relações Internacionais 2010

Semana de Estudos de Relações Internacionais e Economia

Na semana de 8 a 12 de março de 2010, o Curso de Economia realizou a Semana de Estudos de Relações Internacionais e Economia. Conforme já se verificou em 2009, as semanas de estudos são destinadas aos dois cursos de graduação. A organização do evento, como usual, envolveu alunos e professores, além dos integrantes da coordenação dos cursos e da direção da instituição. Além das palestras nos períodos matutino e noturno, realizou-se uma programação complementar no período da tarde, com envolvimento mais ativo dos alunos, de forma a lhes propiciar maior participação e desenvoltura na organização e condução de atividades. A Semana teve ainda a marca da diversidade temática, pela amplitude e relevância dos temas selecionados para cada dia pela comissão organizadora. Na segunda-feira, escolheu-se A Identidade Cultural e Cultura de Massa; na terça, O Mercado de Trabalho e os BRICs; na quarta, O Meio Ambiente; na quinta, Esporte e Economia; e na sexta, A América Latina.

Segunda-feira, dia 08.03.10 – Tema: Identidade Cultural e Cultura de Massa

Embaixador Rubens Ricupero

O primeiro dia da Semana de Estudos de Relações Internacionais e Economia do Curso de Economia teve como tema A Identidade Cultural e a Cultura de Massa. A sessão matutina foi aberta pelo embaixador Rubens Ricupero, diretor do Curso de Economia. O embaixador teve como foco de sua exposição a identidade cultural versus a globalização e, neste contexto, a importância das Relações Internacionais para se entender aquela problemática e o mundo de hoje.

O embaixador começou frisando que, ao contrário do que normalmente se pensa, a globalização não é somente um fenômeno econômico, mas sim que as relações econômicas são apenas uma das expressões desse fenômeno. De fato, ela é a causa principal do rompimento do isolamento humano iniciado de longa data, que advém do intercâmbio propiciado por contatos difíceis, do aprendizado de várias experiências culturais que se mesclaram e universalizaram. Num certo sentido, a globalização é um fenômeno unificador que ameaça as identidades nacionais, e, como tal, desencadeia reações violentas destinadas a preservar a cultura nacional, por isso, há uma tensão constante entre ela e a identidade nacional. Contudo, destacou o embaixador Ricupero, a própria UNESCO reconhece a importância da fidelidade à identidade cultural ao estabelecer a convenção que permite o controle dos meios de comunicação, cinema etc. para proteger as culturas nacionais.

O diretor do Curso de Economia apontou que, ao contrário de outros países, o Brasil é extremamente aberto à inovação. Esta abertura se deve ao caráter nacional, um fenômeno próprio da cultura brasileira, que não pode ser reduzida a uma fórmula simplista, caracterizada por estereótipos e preconceitos. Para afirmar isso, Ricupero recorreu a uma discussão acerca do que é cultura, e que definiu como o conjunto das expressões próprias de uma sociedade, seus costumes, crenças, leis, estilo de vida etc. Por isso, as diversidades culturais originam-se nas identidades nacionais como expressão da herança cultural de cada povo. Vem daí a diversidade da expressão cultural: infinitas maneiras de viver a vida, caracterizadas pela Antropologia e o Estruturalismo. Neste contexto, a economia é sempre um produto da atuação humana. E como tal, o neoliberalismo falha ao ver nas leis econômicas um caráter absoluto, natural, desligado do comportamento humano.

Concluindo sua exposição sobre o tema, que caracterizou de extremamente fascinante, o embaixador demonstrou a importância da diversidade cultural para a vida econômica ao associá-la às vantagens comparativas de David Ricardo e à das trocas de produtos ligeiramente diferentes de Paul Krugman, em que o econômico se beneficia da variedade e diversificação.

Professor Richard Vinic

Em seguida, dando continuidade ao tema do dia, o professor Richard Vinic, coordenador dos cursos de Marketing da FAAP Pós-Graduação, falou sobre Marcas Pessoais. Vinic estabeleceu uma ponte entre a identidade cultural e a pessoal, na amplitude da cultura de massa, ao destacar a importância da projeção individual através da estruturação da marca pessoal.

Sua abordagem, extremamente interativa com o público presente, consubstanciou-se em grande parte nas respostas do auditório. Questões fundamentais eram jogadas para os participantes e desenvolvidas em torno dos pressupostos propostos.

Inicialmente, concentrou-se nos aspectos do Marketing, que, segundo seu parecer, tem como premissa conhecer o cliente através do encantamento e do feedback. Tratou em seguida das marcas. “O que é uma marca?”, questionou. Não se trata apenas de um nome ou de um logotipo. Inúmeros outros aspectos compõem uma marca: é um ativo intangível; é o diferencial que facilita a escolha do cliente; é a construção de uma imagem imprescindível para a percepção do cliente; é o relacionamento que garante lucros futuros através da preferência e lealdade do cliente.

Neste sentido, Vinic posicionou a percepção de marca pessoal, exemplificando a Disney como vendedora de sonhos. Para o orador, enquanto profissional, deve-se ter uma marca pessoal como elemento diferenciador das vantagens competitivas. Para se estabelecer uma marca pessoal deve-se fazer uma série de questionamentos. Entre outros, qual é a minha especialidade? Quais são os meus pontos fortes e fracos? Quem são os meus concorrentes? Enfim, como estou posicionado no mercado? Deve-se olhar atentamente, pois, como pontificou Al Pacino (em Perfume de Mulher), “no dia em que pararmos de olhar, morreremos”.

O palestrante encerrou sua apresentação discorrendo sobre a importância da criatividade e do empreendedorismo para a consagração da marca pessoal. Espelhou-se na figura do técnico de futebol Luiz Felipe Scolari, que conduziu o selecionado brasileiro à vitória da Copa do Mundo em 2002, tendo como principal adversário o derrotismo. Complementou sua fala com a exibição de um pequeno filme daquele campeonato, em que o narrador revela que vencemos, apesar dos percalços, pelo talento e pelos esforços. Pois enquanto os adversários tinham um time, nós tínhamos uma pátria para defender.

Professora Crislaine de Toledo

No período da tarde foi ministrado o primeiro workshop da Semana de Estudos, sobre os temas deIdentidade Cultural e Cultura de Massa, sob o comando da professora Crislaine de Toledo, que atua nas Faculdades de Economia e de Comunicação e Marketing da FAAP.

A estrutura de apresentação da professora foi na linha de uma palestra interativa com a apresentação de slides e o desenvolvimento de um debate sobre o tema discutido. Ao final, a professora concluiu com a exposição de um documentário experimental americano, dirigido por Ron Fricke, chamado Baraka.

Professora Carla Cristiane Lopes Corte

Ainda no primeiro dia de eventos, mas no período noturno, na amplitude da temática estabelecida, a professora Carta Corte, doutora em RelInter, tratou do tema O Indivíduo e a Sociedade. Sua fala foi abrangente, multifacetada em inúmeras condicionantes reflexivas.

Iniciou seu discurso sobre a procura da identidade do ser, considerando a fragmentação do indivíduo na sociedade contemporânea. O indivíduo em suas múltiplas funções e variantes: “Afinal, quem sou eu, enquanto mãe, esposa, professora?“, questionou-se. Ao tentar estabelecer sua identidade, à maneira de Schopenhauer, indagou onde termina o indivíduo e começa a sociedade.

Dando sequência à introspecção sobre a fragmentação do indíviduo na modernidade, abordou a indagação sobre nós mesmos, proposta por Anthony Guiddens, no seu interesse pela reformulação da teoria social e no reexame da compreensão do desenvolvimento da modernidade. Ainda no tocante à modernidade, valeu-se de Marx ao propô-lo na citação de que “tudo o que é sólido, desmancha-se no ar”.

Na continuidade, passou a explorar as inúmeras possibilidades decorrentes. Abordou a identidade pós-moderna, com destaque para a fragmentação e homogenidade, proposta por Elya Prigogine, Norbert Elias e Stuart Hall. Abordou, ainda, o tema sob a ótica da Sociologia, estabelecendo um vínculo com a Mitologia, em que a natureza humana, e logo o próprio eu, é circular, na visão de Mircea Eliade, Campbell e Jung.

Na visão econômica, enquadrou o indivíduo como agente representativo do capitalismo, o homo economicus, enquanto necessidade de despersonalização do próprio eu, em que se dá a noção do homem pós-moderno associada à sua utilidade. 

Seguiu-se ampla explanação na qual o tema ainda foi abordado pelas suas vertentes religiosas, filosóficas e culturais. A partir destas premissas, debruçou-se sobre a concepção da racionalidade do homem, da busca pela identidade social dos grupos, da de cultura e de nação. Nestas conjecturas, partiu para o estabelecimento da relação de interdependência humana, em que, mais uma vez, se verifica a fragmentação do indivíduo, enquanto homem multifacetado e despersonalizado. Serviu-se, para tanto, da visão de vários pensadores, entre outros, Nietzsche, Schopenhauer, Kierkegaard, Mestre Eckhart, Santo Agostinho, São João da Cruz e Freud.

Na peroração, abordou a globalização como segmentação do todo, da nação como sistema de representação cultural, e da homogeneização humana face às novas formas e expectativas culturais da atualidade. Terminou por concluir que o homem está só.

Professor Luiz Alberto Machado

A última palestra da noite foi proferida pelo professor Luiz Alberto Machado, vice-diretor do Curso de Economia da FAAP.

Machado, considerando o tema muito amplo, em que se admitem inúmeras abordagens, teve como base de sua palestra a obra O Código Cultural, de Clotaire Rapaille.

Em suas reflexões iniciais, o orador classificou a globalização, à maneira de Eduardo Gianetti, como um fenômeno de aceleração do tempo e integração do espaço. Ela é a quebra do isolamento das sociedades, propiciada pela aceleração da tecnologia e das comunicações. A globalização, entretanto, enquanto processo de aprofundamento da integração cultural, gera tensões decorrentes da confrontação da aculturação global com as identidades nacionais, advindas dos códigos culturais de cada povo.

Os códigos culturais são, consequentemente, de extrema importância para se entender as identidades nacionais e, por decorrência, a própria globalização. Por sua vez, os códigos culturais estão intimamente associados aos processos mentais. E como tal, pode-se entender melhor as preferências pessoais, no Marketing, por exemplo, estabelecendo-se a predominância dos hemisférios cerebrais.

Em formulário próprio, cada aluno presente se auto-avaliou para verificar a prevalência do hemisfério cerebral, entre dominância do hemisfério esquerdo, com predominância analítica, quantitativa e lógica; dominância do hemisfério direito, com predominância da imaginação, ritmo e arte; e o equilíbrio dos dois hemisférios, em que há equivalências das habilidades de cada um dos hemisférios. O palestrante completou a análise realizada com a descrição e processamento da atividade cerebral pelo cérebro triúnico, composto pelo cérebro reptiliano, límbico e neocortical, em que o processo decisório decorre da prevalência do processamento de cada impulso no encéfalo, entre reações primitivas, emocionais ou racionais, respectivamente. Os arquétipos estabelecidos pela identidade cultural estão intimamente associados ao processamento mental dos códigos culturais.

Concluindo sua oração, Machado destacou a importância do conhecimento dos códigos culturais para a culminância prática dos objetivos traçados. Para se penetrar em um mercado estrangeiro, por exemplo, além da capacidade de adaptação e habilidade em administrar o tempo, há que se interpretar adequadamente o código de cada país, a sua identidade cultural.

Terça-feira, dia 09.03.10 – Tema: Mercado de Trabalho

O segundo dia da Semana de Estudos foi dedicado ao tema Mercado de Trabalho. Pela manhã foram realizadas as palestras de três ex-alunos da FAAP, Fábio Rua, Isabella Razaboni e Luiz Paulo Bellini. Estas palestras despertaram enorme interesse por parte dos alunos e professores por se destinarem a relatar o sucesso na carreira profissional de três egressos do curso de Relações Internacionais da FAAP.

Fabio Rua

O palestrante traçou a trajetória de sua carreira começando pelos bancos escolares e discorrendo sobre a importância da continuidade dos estudos e da dedicação à carreira. Falou também das oportunidades que lhe foram oferecidas pelo curso de Relações Internacionais da FAAP e das perspectivas profissionais que são proporcionadas aos formados na área, avaliando as alternativas oferecidas.

Este internacionalista iniciou sua carreira profissional na Câmara Americana de Comércio (Amcham), onde permaneceu durante seis anos. Começou suas atividades como trainee e, fruto da sua dedicação e aperfeiçoamento, acabou por se tornar gerente do departamento de relações internacionais da Câmara.

Nesse ínterim deu continuidade a seus estudos cursando a pós-graduação e depois desta fez o mestrado em Gestão de Negócios Internacionais. Desta maneira, especializou-se naquela modalidade de negócios.

Dando prosseguimento à carreira, foi para a Companhia Vale do Rio (hoje, Vale), onde permaneceu durante quatro anos. Entre outras realizações, participou da institucionalização de práticas gerenciais, voltadas para a condução estratégica da companhia.

Recentemente, em 2009, transferiu-se para a Embraer, onde exerce as funções de diretor de políticas de comércio internacional. Sua retrospectiva profissional e cargos ocupados falam por si só do sucesso de sua carreira e das perspectivas oferecidas pelo curso de Relações Internacionais.

Isabella Razaboni

A oradora também concluiu o curso de Relações Internacionais na FAAP. Optou desde cedo por se dedicar à área de relações humanas das empresas, em que vem fazendo carreira. Como a atuação em recursos humanos não se restringe a um único segmento econômico, traçou suas perspectivas profissionais na área com vistas a especializar-se em relações humanas internacionais. Neste sentido, destacou as enormes perspectivas e a diversidade de opções que o formado em Relações Internacionais dispõe.

Iniciou sua atividade profissional como trainee na ESEC, uma entidade voltada para a busca da paz mundial, e que é gerida por estudantes da USP. Logo em seguida, foi aprovada no Programa Talentos da Ambev, que se revestiu de grande importância para o seu desenvolvimento pessoal pelos desafios e promoções que lhe foram oferecidos.

Apesar de sua ascensão profissional, não se descuidou da continuidade nos estudos. Percebendo a importância do aprofundamento do conhecimento empresarial e da gestão de negócios, voltou aos bancos escolares para a realização da pós-graduação, tendo concluído um MBA em Gestão Empresarial.

Em seguida, com vistas a aumentar a amplitude na sua atuação nas relações humanas, passou a trabalhar na Gafisa, uma empresa de construção civil. Com a experiência adquirida, focou novamente sua aspiração de aprofundar o conhecimento e dedicar-se à aplicação das relações humanas na área das Relações Internacionais. Passou a trabalhar na Lenovo Computadores, uma empresa chinesa com gestão americana. Sua missão consistiu na implantação de processos de RH na empresa.

Recentemente, ainda que bastante jovem, sentiu-se segura para abrir a sua própria empresa. Criou uma consultoria, a Onda Jovem, especializada em orientar candidatos para o processo seletivo das empresas.

Luiz Paulo Bellini

Bellini também se formou em Relações Internacionais na FAAP. Mas, ao contrário dos outros dois oradores que o antecederam, não teve uma trajetória profissional clássica. Sua carreira tem mais a perspectiva de um freelance, um empreendedor. Voltou-se para as Relações Internacionais por indicação de um teste vocacional a que se submeteu. Desde cedo teve idéia de lançar um site de RI na Internet. E foi com este norte que orientou sua carreira.

Iniciou as atividades profissionais como trainee da Câmara Brasileira de Comércio e Desenvolvimento Econômico. Lá, em suas próprias palavras, adquiriu ampla bagagem em negociação e vendas. No meio tempo, juntamente com um colega de classe, montou o site MundoRI.

Em seguida foi trabalhar como assessor da presidência do jornal A Gazeta Mercantil. Em 2005, foi designado pelo jornal para entrevistar os candidatos à presidência do Irã. Ainda no desempenho para terceiros, procedeu à abertura de uma empresa para a GM no Rio de Janeiro, onde teve a oportunidade de estruturar uma empresa passo-a-passo. Segundo Bellini, alavancar uma empresa pequena representa um grande desafio.

Assim como os oradores que o procederam, também não se descuidou da continuidade dos estudos, voltados para os conhecimentos empresariais e dos negócios. Concluiu um MBA em Gestão Econômica e Estratégica Empresarial.

Nas atividades próprias, abriu com mais dois sócios uma agência de publicidade, bem como, a partir de um plano de negócios, adquiriu uma empresa fornecedora da Internet. 
Concluiu sua apresentação conclamando os presentes a realizarem seu sonho, fazendo aquilo que gostam, utilizando, para tanto, os benefícios que a formação lhes proporciona na construção da carreira.

Professora Maria Eugênia Cauduro Cruz

No período da tarde, os alunos tiveram a oportunidade de participar de um workshop com a professora do curso de Relações Internacionais e da Pós-Graduação Maria Eugênia Cauduro Cruz. A partir da sua experiência profissional em agência de notícias, a professora Maria Eugênia trabalhou com os alunos como eles devem proceder durante entrevistas de emprego. Entre as valiosas dicas divididas pela professora destacou-se a importância em se preparar bem para um processo seletivo, identificando o perfil da empresa, sabendo como se expor durante o processo e que cuidados devem ser tomados, antes e durante essa importante fase profissional.

Claudio Queiroz e Hermínio Carlos de Souza

Para finalizar as atividades da terça-feira, cujo tema foi Mercado de Trabalho, os alunos puderam contar com as palestras do professor Claudio Queiroz da FAAP Pós-Graduação, e Hermínio Carlos de Souza, representante da empresa PowerInvest, que atua na área do mercado de ações de commodities.

O professor Claudio Queiroz discorreu sobre o tema A competência das pessoas, abordando o fato de que está em nós mesmos a força e a capacidade de vencer em tudo. Utilizando imagens de filmes como Mamma Mia e Jamaica abaixo de zero, o professor mostrou como a postura de cada indivíduo diante de diferentes momentos de sua vida interferem nas respostas que recebem de situações por eles vivenciadas. A grande mensagem da noite foi a importante e diferenciada forma como o professor se posicionou a todo momento, insistindo para o fato de que qualquer profissional e ser humano deve ser responsável por suas ATITUDES.

Hermínio Carlos de Souza, por sua vez, apresentou o mercado de commodities, suas oportunidades e perigos, e deu dicas para aqueles que pretendem se aventurar por tal área.

Quarta-feira, dia 10.03.10 – Tema: Meio Ambiente

O terceiro dia da Semana de Estudos foi dedicado ao tema Meio Ambiente, que está cada vez mais presente nas agendas política e econômica internacionais. Este assunto tão atual e importante foi discutido por dois palestrantes de nível internacional, e contaram com os aportes do embaixador Rubens Ricupero.

Embaixador Rubens Ricupero e Carlos Nobre

O embaixador Rubens Ricupero abriu a manhã do terceiro dia de atividades da Semana de Estudos, versando acerca do conceito de sustentabilidade. Segundo o embaixador, o conceito de sustentabilidade nasce no seio da discussão ambiental e permeia outros setores da sociedade, embora seu uso mais apropriado seja apenas no que se refere às questões ambientais propriamente ditas.

Logo em seguida, o embaixador Ricupero apresentou o professor Carlos Nobre, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), cuja experiência na área das mudanças climáticas inclui a presidência do Comitê Científico do International Geosphere-Biosphere Programme (IGBP) e a participação no grupo dos autores do Quarto Relatório de Avaliação do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC) que, em 2007, foi agraciado com o Prêmio Nobel da Paz, juntamente com o ex-vice-presidente dos Estados Unidos, Al Gore.

O professor Carlos Nobre proferiu sua palestra à luz do tema Mudanças Climáticas Globais e o Brasil: os desafios da sustentabilidade, tendo como ponto de partida o questionamento: “Como o ambiente da Terra está mudando, e quais as consequências para a nossa civilização e mesmo para a sustentabilidade da vida no Planeta Terra?”

Nesta perspectiva, o professor Nobre inicia sua palestra mostrando o que é necessário para que os países desenvolvidos atinjam padrões aceitáveis de desenvolvimento humano sem que tais padrões acarretem na degradação ambiental. Dentro disso, Nobre introduz a temática da dinâmica populacional, somando à população mundial os 2,5 bilhões de pessoas que ainda estão por nascer até o ano de 2050, constatando que os países que sofrerão maiores aumentos de população serão aqueles em desenvolvimento. 

O tópico seguinte abordado por Carlos Nobre se referiu à XV Conferência das Partes da Convenção Quadro das Nações Unidas para Mudanças Climáticas, a COP 15, realizada em Copenhagen, indicando que o Brasil adotou uma posição de protagonismo nas questões climáticas ao assumir uma redução da emissão de gases de efeito estufa entre 36% e 39% em relação ao que se tem por tendência para 2020.

O professor Nobre abordou outros temas que se relacionam com a sustentabilidade, como a influência do homem no meio ambiente, os pontos críticos do planeta em relação às mudanças do clima, as mudanças na fauna, na flora e nas regiões congeladas da Terra decorrente da emissão de gases de efeito estufa e suas consequências. 

Por fim, a explanação de Nobre se concentrou no Brasil e nas consequências do aquecimento global em território brasileiro. No que diz respeito ao Brasil, o professor Nobre falou sobre a questão da Amazônia, principalmente no que se refere ao desmatamento na região, ressaltou a importância das energias renováveis para o país e alguns dos impactos das mudanças no clima para o Brasil, tais como: a agricultura e geração de energia no Brasil podem ser afetadas pelas mudanças climáticas; haverá anomalias nas chuvas e na temperatura, aumentando o número de noites quentes; um possível impacto na distribuição dos recursos hídricos no Nordeste até 2100; na zona costeira haverá uma tendência de realinhamento do litoral devido à mudança na direção de propagação das ondas; no Rio de Janeiro, 1 milhão de pessoas estarão em risco por conta do aumento do nível do mar e ressacas; em São Paulo, aumentará a frequência de dias com chuva intensa ininterrupta.

Professor José Goldemberg

Prosseguindo com as atividades deste dia, para os alunos do período noturno foi oferecida a palestra A Sustentabilidade Nuclear, com o professor José Golbemberg.

O embaixador Rubens Ricupero abriu a sessão com um breve discurso acerca da temática nuclear nas Relações Internacionais e qual a dimensão que esta questão alcança quando se trata de assuntos como meio ambiente, segurança e economia. O embaixador Ricupero ressaltou, ainda, quão importante é a compreensão da dinâmica nuclear, dos impactos ambientais da energia nuclear, bem como quanto a poder bélico dos países que possuem tecnologia apropriada para o enriquecimento do urânio pode aumentar, se tal tecnologia for utilizada para este fim. 

Iniciando sua exposição, o professor Goldemberg explicou o processo físico-químico do urânio, tornando possível, desta forma, a compreensão da potência que possui este elemento químico – tanto para questões energéticas como para produção de armas nucleares.

No que diz respeito às questões bélicas, os armamentos nucleares produzidos a partir do urânio são conhecidos como bombas de fissão nuclear, onde seus núcleos se desintegram e desencadeiam pequenos bombardeios por nêutrons no interior da ogiva, fazendo com que o poder de destruição de uma bomba seja suficiente para devastar uma cidade inteira, casos de Hiroshima e Nagasaki, no Japão, durante a II Guerra Mundial.

No que tange às questões energéticas, foco desta palestra, o professor Goldemberg mostrou o poder de produção de energia por meio do urânio. Desta maneira, Goldemberg apresenta uma questão de extrema relevância à produção energética pela matriz nuclear: apesar de energeticamente eficientes, as centrais nucleares, por meio da fissão nuclear em seus reatores para a produção de energia, produzem resíduos que colocam em risco a vida por conta da radioatividade que liberam, necessitando de armazenamento especial por um período longo de tempo.

Na perspectiva, portanto, de que se apresentam duas situações antagônicas – a produção de resíduos e os malefícios que provocam e os benefícios da energia proveniente de matriz nuclear – já são mais de quatrocentos e vinte reatores nucleares em operação no mundo, sendo cento e quatro nos Estados Unidos e dois no Brasil.

Quinta-feira, dia 11.03.10 – Tema: Esporte e Economia

O quarto dia da Semana de Estudos esteve voltado, nos períodos matutino e noturno, para o desenvolvimento do tema Esporte e Economia. Duas áreas que normalmente não são correlacionadas foram abordadas de forma muito didática para futuros profissionais que terão um grande mercado de trabalho neste campo de atuação.

Professor Victor Mirshawka

Pela manhã, foi realizada a palestra do professor Victor Mirshawka, diretor cultural da FAAP. A palestra se revestiu de enorme interesse por parte de alunos e professores, pelo fato do palestrante, além de professor e escritor, ter sido exímio jogador de basquete e integrante da seleção brasileira bi-campeã mundial em 1963 e da medalha de bronze nas Olimpíadas de Tóquio em 1964.

O professor Victor conduziu sua apresentação com extrema criatividade, estabelecendo um intenso bate-bola com o professor Machado, vice-diretor do Curso de Economia da FAAP, intercalado com ampla interação com os presentes no auditório. Sua verve foi recheada de amplo domínio sobre o assunto, pautada pelo bom-humor, para satisfação de todos, com, inclusive, distribuição de livros para os participantes do auditório que acertavam as respostas às perguntas a eles dirigidas.

Inicialmente, o professor Victor discorreu sobre a transformação do esporte amador em profissional e o significado econômico desta transformação. O esporte profissional é um grande gerador de negócios, além do forte ofertador de emprego de atletas e pessoal esportivo, pela utilização da tecnologia da informação e do entretenimento. Sem falar das inúmeras atividades acessórias que proporciona e o emprego que delas resulta. Exemplificando, falou dos jogos olímpicos de inverno no Canadá. Somente Vancouver gastou quase 10 bilhões de reais para realizá-los. Neste sentido, destacou ainda a atuação da FIFA como um dos maiores empreendimentos do mundo, decorrentes do envolvimento bilionário dos negócios de que participa. João Havelange, revelou, transformou a FIFA em um negócio de 300 bilhões de dólares.

Partindo de uma perspectiva histórica, fez uma retrospectiva, em dueto com o professor Machado, das copas mundiais de futebol e dos jogos olímpicos, em que foi pontuando, de memória, estatísticas relevantes sobre os esportes e os negócios empreendidos.

O orador discorreu, em seguida, sobre alguns aspectos pouco conhecidos envolvendo os esportes. Como é o caso, por exemplo, da atividade chinesa na África, em que se verifica o domínio dos recursos minerais do continente através da política da construção de estádios.

O professor Victor concluiu a palestra destacando a empregabilidade e o empreendedorismo proporcionados pelas atividades esportivas. Esta capacidade dos esportes vai desde o patrocínio e a projeção de jovens talentosos, à contratação de grandes profissionais e à realização de muitos eventos e negócios milionários. Deles resulta farta geração de empregos e de negócios com a ampliação da riqueza. Efetivamente, o esporte está muito ligado à RelInter, pontificou.

Comentários do professor Otto Nogami

Em suas considerações sobre o tema, o professor Nogami, especialista e professor de Economia da FAAP, reafirmou que há indubitavelmente uma forte ligação entre o esporte e a economia. Quando realizado de forma recreativa, trata-se de um ato de lazer. Enquanto atividade profissional, o esporte está subordinado à lógica mercantil de como ganhar dinheiro. Envolve multidões, empresas, governo etc. Neste sentido, clubes viraram empresas, geradoras de lucros. O esporte tornou-se uma indústria do lazer, que explora desde os grandes eventos de massas, como o futebol, ao ciclismo e outras modalidades de menor projeção. Todas estas atividades movimentam milhões de recursos. 

Para dar uma idéia dos montantes envolvidos na indústria esportiva, o professor Otto propôs uma quantificação simplificadora supondo que, em média, cada um dos seis bilhões de habitantes do globo possua uma bola, no valor de 10 dólares cada, e um par de tênis, no valor de 30 dólares o par. Tal suposição simplista redundaria em 60 bilhões de dólares para as bolas, que adicionados aos 180 bilhões de dólares dos tênis, perfaria 240 bilhões de dólares. Pela insignificância da proposição, face à grandeza dos recursos envolvidos e dos negócios transacionados, dá para se ter uma avaliação da importância da indústria dos esportes para as atividades econômicas, concluiu o comentarista.

Virgílio Franceschini Neto

Na atividade da tarde preparada para os alunos, o palestrante convidado, Virgílio Francheschi Neto, falou sobre Markting Esportivo, uma área interessante a ser explorada. Com inúmeras indagações e dúvidas, os estudantes entenderam a importância de marcas em eventos desse patamar, como Copa do Mundo e Olimpíadas, que pode ser uma porta de ingresso no mercado de trabalho para eles.

Marco Aurélio Klein

No período da noite, o tema Esporte e Economia foi focalizado pelo sociólogo e professor Marco Aurélio Klein, que é responsável atualmente pelos esportes de alto rendimento no Ministério dos Esportes.

Depois de ser apresentado pelo professor Machado, vice-diretor do Curso de RelInter, Marco Aurélio Klein, que é ex-professor do Curso de Comunicação e Marketing da FAAP, iniciou sua fala com algumas definições acerca da globalização e de como se pode traçar um paralelo com o esporte.

Posteriormente, Klein relacionou o início de ídolos esportivos com a Era do Rádio, nos anos 1940; passando pela idéia do esporte estar ligado também ao surgimento da televisão nos anos 1930 na Europa; os primeiros patrocínios esportivos na década de 1960; como a imprevisibilidade traz valor ao “espetáculo” esportivo; como as regras dos esportes acabaram sendo adaptadas a fim de atender a “mídia”; e como esta tem papel fundamental do investimento no esporte.

Marco Aurélio Klein, como membro da comissão do governo federal para a preparação de esportistas pôde ainda relatar como o Brasil está se preparando para as Olimpíadas de 2016. Tomando por base as atuações de alguns outros países que não tinham expressiva participação olímpica, o Brasil está atuando para conseguir chegar aos jogos do Rio de Janeiro e não fazer feio, tendo para tanto como benchmark a Austrália, cujo bom desempenho foi mantido nas edições olímpicas posteriores a Sidney, o que não ocorreu, por exemplo, com a Espanha, que não conseguiu sustentar a boa performance verificada em Barcelona em 1992. O mapeamento de cada modalidade e possibilidade de conquista de medalhas é realmente um trabalho impressionante, e só pode nos fazer torcer para que dê certo.

Comentários da professora Carla Cristiane Lopes Corte

Após a fala do especialista, a professora Carla Corte fez seus comentários sob a ótica, como ela mesma ressaltou, de uma economista. Ela destacou que com esta percepção acerca do esporte, pode-se perceber a possibilidade de crescimento e desenvolvimento econômicos, como também uma grande oportunidade de trabalho para novos profissionais, tanto de Economia quanto de Relações Internacionais.

Sexta-feira, dia 12.03.10 – Tema: América Latina

O último dia da Semana de Estudos do Curso de Economia teve como tema central a América Latina, tendo como expositores, no período da manhã, o ex-presidente do Paraguai, Juan Carlos Wasmosy, e, no período noturno, o professor Gunther Rudzit, coordenador do curso de Relações Internacionais da FAAP.

Presidente Juan Carlos Wasmosy

Os alunos e professores da manhã tiveram a satisfação de assistir à apresentação do ex-presidente do Paraguai, o engenheiro Juan Carlos Wasmosy, com a palestra Itapu: a construção e aspectos financeiros.

Após a saudação feita pelo professor Luiz Alberto Machado, que agradeceu a vinda do ex-presidente em nome da Diretoria da Fundação Armando Alvares Penteado, o palestrante foi apresentado por Julio César Insaurralde, da Verax Consultoria, responsável pelo convite ao ex-presidente. Na apresentação, foi ressaltado o fato dele ter exercido o mandato presidencial de 15 de agosto de 1993 a 15 de agosto de 1998, tendo sido o primeiro presidente civil paraguaio eleito desde 1811, além de ter completado o mandato e transmitido o cargo a um sucessor.

O presidente Wasmosy é formado em engenharia civil pela Facultad de Ingeniería de la Universidad Nacional de Asunción, e hoje é senador vitalício do Paraguai. Em sua explanação sobre a hidrelétrica binacional Itaipu, revelou dados históricos importantes de como o entendimento diplomático entre Paraguai e Brasil abriu caminho para o início dos estudos técnicos. Comentou sobre a principal solução proposta por um consórcio de empresas estrangeiras, que previa o alagamento de grande parte da área em litígio e como esta disputa por terras na fronteira foi encerrada. Frisou que somente uma pequena parcela da área em litígio não foi inundada. As terras em questão foram transformadas em reserva ecológica binacional, sob conservação da Itaipu. O governo brasileiro ficou responsável pela obtenção de recursos para a obra.

Ainda foi dito pelo presidente que a Itaipu Binacional é um marco para o setor elétrico dos dois países. Antes, os paraguaios dispunham de apenas uma hidrelétrica de pequeno porte, Icaray, e os brasileiros consolidam a opção pela energia produzida por meio do aproveitamento da força dos rios. A usina praticamente dobra a capacidade do Brasil de gerar energia. Atualmente, Itaipu adota mecanismos que proporcionam absoluta transparência à sua gestão financeira. Há três anos, adotou o pregão eletrônico para compra de bens e serviços, tanto no Brasil como no Paraguai.
Contudo, o principal ponto da palestra foi em relação à dívida paraguaia junto ao governo brasileiro. Apresentando dados e gráficos, o presidente Wasmosy traçou a correlação entre o custo da obra, o financiamento, a taxa de juros adotada e como isto resultaria em uma dívida que não conseguiria ser paga pelo Paraguai até a data estabelecida de 2023. Assim, ele defendeu a forma como este assunto foi renegociado, dizendo que agora, quando a dívida for paga no ano previsto, seu país poderá passar a investir esse dinheiro em desenvolvimento de setores essenciais.
O conteúdo da sua fala foi a mesma da palestra que o ex-presidente proferiu na noite anterior no campus da FAAP em São José dos Campos. E, assim como fez na cidade do Vale do Paraíba, ele doou um livro de sua autoria acerca do tema para a biblioteca da FAAP.
Encerrada a sessão, o ex-presidente fez questão de conhecer o campus da FAAP e fez uma rápida visita à exposição Formas e Revelações, que estava sendo exibida no Museu de Arte Brasileira. Na sequência, o ex-presidente Wasmosy foi homenageado com um almoço na sede da Diretoria da FAAP.

Professor Gunther Rudzit

A última noite de atividades teve como palestrante o professor Gunther Rudzit, coordenador do curso de Relações Internacionais da FAAP. O tema discutido pelo palestrante foi América Latina: Economia e Segurança.
O professor Rudzit iniciou com a apresentação de diferentes mapas sobre a América Latina, com o intuito de levantar a discussão sobre a concepção do termo, tendo em vista que este foi criado no início do século XIX com um propósito político.

Em seguida, ainda com a ajuda de diferentes imagens e mapas, passou a conversar com os alunos e professores presentes acerca dos diferentes processos de integração regionais que tiveram lugar na região. Com isto, o professor Gunther Rudzit passou a discutir alguns dos motivos que levaram a região da América Latina a não conseguir implementar um efetivo processo de integração. Isto posto, passou a discutir a segurança na América do Sul, que, ao contrário do senso comum, não é um continente tão pacífico.

Repassando os diversos problemas fronteiriços, pode-se perceber que existe uma série de situações de tensão latentes entre alguns diferentes países, sendo que, para o professor, os mais preocupantes são a situação interna da Bolívia e a relação entre Colômbia e Venezuela. Este último, destacou Rudzit, passou a ter maior atenção dos especialistas em segurança tendo em vista que o grande comércio bilateral existente diminuiu fortemente nos últimos anos. Isto é fonte de preocupação, uma vez que sem laços econômicos e comerciais entre dois países, cresce a possibilidade de haver um conflito entre eles.

Figuras e legendas

Figura 1- Embaixador Rubens Ricupero, diretor do Curso de RelInter, discorrendo sobre a conexão entre globalização e identidade cultural
Figura 2 - Richard Vinic abordando o tema Marcas Pessoais.
Figura 3 - Professora Crislaine de Toledo, no workshop sobre

Identidade Cultural e Cultura de Massa

Figura 4 - A fragmentação do ser humano foi o tema focalizado
pela professora Carla Corte.
Figura 5 - A palestra do professor Luiz Alberto Machado, vice-diretor do Curso de RelInter, foi baseada no livro do renomado Clotaire Rapaille
Figura 6 - Isabella Razaboni, Luiz Paulo Bellini, Raquel Rocha e Fabio Rua, todos formados pelo curso de Relações Internacionais da FAAP, deram importantes depoimentos sobre suas respectivas carreiras profissionais
Figura 7 - Professora Maria Eugênia Cauduro Cruz, no workshop sobre recrutamento, negociação e mercado de trabalho
Figura 8 - Claudio Queiroz, professor da FAAP Pós-Graduação, encantou a platéia falando sobre o tema Competência das Pessoas, título de seu último livro
Figura 9 - Hermínio Carlos de Souza, da empresa PowerInvest
Figura 10 - Carlos Nobre, reconhecido mundialmente como um dos maiores especialistas em sustentabilidade
Figura 11 - Flagrante da palestra do professor José Goldemberg
Figura 12 - Professor Victor Mirshawka, diretor cultural da FAAP e integrante da seleção brasileira de basquete bi-campeã do mundo em 1963 e medalha de bronze na Olimpíada de Tóquio em 1964
Figura 13 - Virgílio Francheschi Neto, no concorrido workshop sobre Marketing Esportivo
Figura 14 - Responsável pelos esportes de alto rendimento no Ministério dos Esportes, Marco Aurélio Klein fez uma excelente exposição a respeito dos planos do Brasil para a Olimpíada de 2016
Figura15 - Juan Carlos Wasmozy, ex-presidente do Paraguai
Figura 16 - Gunther Rudzit, coordenador do curso de Relações Internacionais, fechou a Semana de Estudos analisando as questões da integração 
e da segurança na América Latina
Figura 17 As integrantes da comissão organizadora da Semana de Estudos de Relações Internacionais e Economia: Beatriz Sannuti de Carvalho, Stephanie Habib, XXXX XXX, Samantha Millais, Isabel Roth, Marianna Rodrigues e Lorena Galdino
Fechar X

Política de Cookies

A Política de Cookies regulamenta o acesso de Usuários para sua navegação no Portal FAAP –www.faap.br– e todos os respectivos hosts e em toda e qualquer mídia disponibilizada pela FAAP, doravante coletivamente designados PORTAL FAAP, tanto para leitura gratuita quanto para a pratica de atos dentro do portal. Em razão da utilização do Portal FAAP, a FAAP poderá coletar informações automaticamente.

O que são cookies?

Cookies são pequenos arquivos instalados nos computadores, telefones, smartphone, tablets ou qualquer dispositivo com acesso à internet, quando um navegador de internet é usado, com a finalidade de armazenar as preferências de navegação do Usuário. Esses arquivos permitem identificar o seu dispositivo numa próxima visita ao Portal FAAP e se o Usuário tem ou não Cadastro.

Quais cookies são utilizados pela FAAP e qual sua finalidade?

Os cookies permitem uma navegação mais rápida e eficiente e eliminando a necessidade de introduzir repetidamente as mesmas informações.

Comportamento da audiência: auxiliam a dimensionar as visitas ao site da FAAP; acompanham, armazenam e medem informações de comportamento de navegação a fim de oferecer um serviço mais personalizado, com recomendação de conteúdo, beneficiando a experiência do usuário no site e para aprimoramento do produto e/ou serviço.

Segurança: Protegem e permitem que você navegue em nosso ambiente em sua total funcionalidade com autenticação para evitar fraudes.

Os cookies utilizados podem ser:

Cookies permanentes- Ficam armazenados ao nível do navegador de internet (browser) nos seus dispositivos de acesso (pc, mobile e tablet) e são utilizados sempre que o usuário faz uma nova visita ao site. Geralmente são utilizados para direcionar a navegação de acordo com os interesses do usuário, permitindo-nos prestar um serviço mais personalizado.

Cookies de sessão - São temporários, permanecem nos cookies do seu navegador de internet (browser) até sair do site. A informação obtida permite identificar problemas e fornecer uma melhor experiência de navegação.
Depois de autorizar o uso de cookies, o usuário pode sempre desativar parte ou a totalidade dos nossos cookies.

Todos os browsers permitem ao utilizador aceitar, recusar ou apagar cookies, nomeadamente através da seleção das definições apropriadas no respetivo navegador. Pode configurar os cookies no menu "opções" ou "preferências" do seu browser.

Note-se que, ao desativar cookies, pode impedir que alguns serviços da web funcionem corretamente, afetando, parcial ou totalmente, a navegação no website.

Recordamos que ao desativar os cookies, partes do nosso site podem não funcionar corretamente.

Quais informações são coletadas?

  • - Tipo de navegador e suas configurações;
  • - Informações sobre outros identificadores atribuídos ao dispositivo;
  • - Preferências de navegação;
  • - O endereço IP a partir do qual o dispositivo acessa o site ou aplicativo móvel; - Informações sobre a localização geográfica do dispositivo quando ele acessa um site ou aplicativo móvel.
  • - Credenciais, conjunto de dados que o Usuário usa para se autenticar visando acessar determinadas áreas restritas e/ou funcionalidades exclusivas - Hábitos de navegação para mapear quais áreas são visitadas
  • - Interações de tempo, estimar qual foi o período de permanência no site

Posso ser identificado por meio dos cookies?

Se você está acessando o Portal como um Usuário Anônimo, sem se cadastrar ou sem se logar como Usuário do Portal, a FAAP só terá acesso às informações de seu perfil de navegação, mas não conseguirá identificá-lo como indivíduo.

No entanto, caso você navegue de forma anônima pelo Portal, mas depois venha a se cadastrar ou se logar, é possível que os cookies que foram captados na qualidade de Usuário Anônimo sejam vinculados a você, em razão do cruzamento de informações. Assim, os cookies em conjunto com seus dados fornecidos no cadastro poderão configurar dados pessoais que lhe identifiquem.

Preciso autorizar o uso de cookies?

IMPORTANTE: SE VOCÊ DESABILITAR O RECEBIMENTO DE COOKIES VOCÊ FICARÁ IMPEDIDO DE CELEBRAR CONTRATOS, ENVIAR FORMULARIOS, EFETUAR REQUERIMENTOS ENTRE OUTROS.

Por quanto tempo os cookies serão armazenados?

O período de armazenamento dos cookies que coletam informações de Usuários Anônimos pode variar. No entanto, o Usuário poderá apagar os cookies por meio da configuração de seu navegador. É importante ter em mente que os cookies serão recriados quando for retomada a navegação. Se você não concorda com a captura de cookies, pode sempre configurar seu navegador para que a coleta de cookies seja bloqueada, lembrando que, ao fazer isso, poderá fazer com que sua experiência de uso do Portal fique parcialmente prejudicada.

Posso impedir que sejam coletadas tais informações por meio dos cookies? Caso tenha interesse, é sempre possível desabilitar a coleta de informações mediante cookies por meio da configuração de seu próprio navegador. Abaixo estão algumas orientações gerais para que você possa especificar como os cookies são gerenciados após configurar seu navegador de preferência*

Navegadores em computadores

Chrome

Clique no menu do Chrome na barra de ferramentas do navegador.
Selecione Configurações.
Clique em Mostrar configurações avançadas.
Na seção Privacidade, clique em Configurações de conteúdo.
Na seção Cookies, selecione uma das seguintes configurações de cookies:
-Excluir cookies
-Bloquear cookies por padrão
-Permitir cookies por padrão
-Manter cookies e dados do site por padrão até você sair do navegador
-Abrir exceções para cookies de sites ou domínios específicos

Firefox

Abra o Firefox, abra o menu Editar e selecione Preferências.
Em Privacidade e segurança, selecione Cookies.
Você pode selecionar as seguintes configurações:
-Desativar cookies
-Ativar cookies apenas para o site de origem
-Ativar todos os cookies
-Perguntar antes de armazenar um cookie

Internet Explorer 9 ou 10

Toque ou clique em Ferramentas e, em seguida, selecione Opções da Internet.
Toque ou clique na guia Privacidade.
Em Configurações, mova o controle deslizante para a parte superior para bloquear todos os cookies ou para a parte inferior para permitir todos os cookies. Toque ou clique em OK.

Safari 5.1 (OS X Lion)

Selecione Safari e, em seguida, selecione Preferências.
Clique em Privacidade.
Na seção Bloquear cookies, especifique se e quando o Safari deve aceitar cookies de sites.
Para ver uma explicação das opções, clique no botão Ajuda (ponto de interrogação). Observação: se você quiser ver quais sites armazenam cookies em seu computador, clique em Detalhes.
Se configurar o Safari para bloquear cookies, talvez você tenha que aceitar temporariamente cookies para abrir uma página. Repita as etapas acima, selecionando Nunca. Quando sair, bloqueie os cookies novamente e remova os cookies da página.

iOS

Toque em Safari.
Toque em Bloquear cookies.
Selecione Nunca, De terceiros e anunciantes ou Sempre.

Dispositivos Móveis

Android

Toque no menu do Chrome, depois em Configurações.
Toque em Configurações de conteúdo (avançadas). Desmarque Aceitar cookies.

Kindle Fire HDX

Deslize para baixo a partir da parte superior da tela do Kindle e selecione Configurações.
Selecione Aplicativos.
Selecione Silk Browser.
Selecione Limpar dados do navegador.
Desmarque quais dados você deseja limpar (Limpar todos os dados decookies) e selecione OK.
*Note que as orientações gerais são meramente informativas para auxiliar o Usuário. A FAAP não se responsabiliza pela atualidade e precisão das informações. Orientações específicas e atuais poderão sempre ser localizadas dentro da seção de dúvidas/manual de instruções de cada navegador.

Fechar X

POLÍTICA DE PRIVACIDADE - FAAP

A FAAP - FUNDAÇÃO ARMANDO ALVARES PENTEADO, fundação de direito privado, com sede na Rua Ceará, 02, Higienópolis, Município de São Paulo, Estado de São Paulo, CEP 01243-010, inscrita no CNPJ/MF sob o n.º 61.451.431/0001-69 e toda sua equipe, se preocupa com a segurança e proteção de dados pessoais e preza pela privacidade de seus integrantes, sejam equipes ou candidatos, de forma que através desta Política de Privacidade, pretendemos ser transparentes e demonstrar nossa preocupação para com o tratamento de dados pessoais.

Esta Política de Privacidade tem por objetivo informar e apresentar esclarecimentos sobre o tratamento aplicado aos dados pessoais de todo e qualquer titular que se relacione com esta instituição, considerando a Lei Federal 13.709/2018 – Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD).

Para fins de aplicação desta Política, são considerados titulares de dados toda e qualquer pessoa física, sendo que na relação com a FAAP, podemos mencionar o colaborador, estagiário, estudante, candidato, responsável legal, fornecedor, parceiro, prestador de serviço, usuário de nossos sites e qualquer outra pessoa física que interaja de alguma forma conosco.

SOBRE OS AGENTES DE PROTEÇÃO DE DADOS PESSOAIS

A FAAP é Controladora de dados pessoais na relação existente com seus alunos, colaboradores, visitantes e terceirizados. Os prestadores de serviços e parceiros da FAAP, dependendo da relação, objetivos e autonomia sobre o tratamento de dados pessoais, poderão se enquadrar como operadores ou controladores em conjunto ou singulares, sejam eles pessoa física ou jurídica.

SOBRE A COLETA DE DADOS

Os dados e o modo de coleta podem variar conforme o produto/serviço utilizado, bem como pela maneira de uso e interação do consumidor junto à FAAP, sendo ele aluno ou não. Estas informações ainda podem ser obtidas por meio de um terceiro ou parceiro comercial que tenham permissão para partilhá-las conosco.

Os dados pessoais serão coletados nas seguintes hipóteses:

  • - Compra ou uso dos nossos cursos, produtos ou serviços;
  • - Registro e/ou interesse em um curso, produto ou serviço específico;
  • - Preferências de navegação;
  • - Subscrição em newsletters e/ou mailing list;
  • - Realização de contato por meio de algum dos canais de atendimento;
  • - Participação em processo seletivo e para contratações;
  • Quando as informações pessoais estiverem disponíveis publicamente.

As informações que podem ser coletadas, quando necessário, serão as seguintes:

INFORMAÇÕES DE USUÁRIOS DOS SITES, CANDIDATOS, COLABORADORES E ALUNOS
DADOS PESSOAIS COLETADOS
FINALIDADE

Nome completo, endereço, gênero, data de nascimento, RG, CPF, número de telefone, e-mail, profissão e ainda nome da mãe e do pai quando necessários, certidão de nascimento, título de eleitor, certificado de conclusão e histórico escolar e quitação de serviço militar.

Identificar e autenticar, cumprir com obrigações, possibilitar acesso aos recursos e funcionalidades do sistema, ampliar nosso relacionamento, informar sobre andamento das fases de seleção, informar sobre desempenho acadêmico, bem como resultados de processos seletivos, prevenção de fraudes, informações futuras sobre novos cursos e oportunidades, informações administrativas.
No caso do teatro, são coletados dados de identificação, de contato e de pagamento, para fins de efetivação do pagamento e para fins de contato com o consumidor, caso haja cancelamento, alteração de horário, bem como qualquer informação administrativa.

sexo

Para fins de atendimento de políticas de diversidade, em alguns casos para cumprimento de obrigação legal, bem como para métricas de inscrições ou contratações de colaboradores.

Dados bancários ou de cartão de crédito ou débito

Necessário para processamento de pagamentos, armazenados parcialmente após a transação.
Dados bancários de colaboradores são tratados para fins de deposito de salário.

Foto.

Identificação, autenticação, prevenção à fraude, acervo histórico da feira, divulgação dos participantes.

Voz, quando há contato por meio de algum dos canais de Serviço de Atendimento ao Consumidor (gravação do atendimento);

Poderá acontecer gravação do atendimento para fins de exercício regular de direitos.

Preferências por produtos, serviços e atividades específicas, sendo essas informações fornecidas pelo próprio consumidor, ou deduzível a partir da forma como ele usa os produtos e serviços;

Melhorar a sua experiência em nossos sites e personalização de ofertas e recomendações personalizadas

Histórico navegação para eventual uso de ofertas e recomendações personalizadas

Melhorar a sua experiência em nossos sites e personalização de ofertas e recomendações personalizadas

Informações sobre quais páginas foram acessadas pelo Usuário, qual é seu navegador, seu sistema operacional, seu IP, entre outros Algumas páginas do Portal também podem armazenar cookies, que consistem em pequenos arquivos instalados por sites nos computadores quando o navegador de internet é usado. Esses arquivos permitem identificar se um mesmo aparelho já fez uma visita anterior ao Portal, e se o Usuário tem ou não Cadastro.

Aperfeiçoar e customizar o atendimento aos usuários.

(para maiores esclarecimentos sobre os dados recolhidos através de cookies, web beacons e outras tecnologias, consulte nossa Política de Cookies)

INFORMAÇÕES DE USUÁRIOS DOS SITES, CANDIDATOS, COLABORADORES E ALUNOS
DADOS PESSOAIS COLETADOS
FINALIDADE

Dados relacionados à saúde de seus colaboradores e alunos, como atestados médicos, receitas e medicações

Prestar socorro imediato quando necessário, atendimento em ambulatório, abono de faltas

Dados relacionados à deficiência física e dados relacionados à crianças especiais, incluindo informações médicas e psicológicas

Para fins execução dos serviços contratados, atendimento à Lei de inclusão

Quaisquer Dados fornecidos pelos Usuários serão armazenados pelo tempo necessário para o atendimento de suas finalidades e a FAAP envidará os melhores esforços na manutenção da confidencialidade integridade e disponibilidade das informações que forem fornecidas.

TODOS OS DADOS PESSOAIS COLETADOS DOS USUÁRIOS SERÃO INCORPORADOS A BASE DE DADOS DA FAAP ATENDENDO AOS PRINCÍPIOS E BASES LEGAIS PREVISTAS NA LEGISLAÇÃO.

PARA FACILITAR O SEU ENTENDIMENTO, A FAAP PODERÁ UTILIZAR AS INFORMAÇÕES COLETADAS DOS USUÁRIOS, INCLUSIVE POR MEIO DE COOKIES, PARA OS SEGUINTES PROPÓSITOS GERAIS:

  • INFORMAR A RESPEITO DE SUAS ATIVIDADES, INCLUINDO EVENTOS, PEÇAS TEATRAIS E OFERTA DE CURSOS, POR CORREIO ELETRÔNICO MALA DIRETA, SMS OU OUTROS MEIOS DE COMUNICAÇÃO;
  • MANTER ATUALIZADOS OS CADASTROS DOS USUÁRIOS PARA FINS DE CONTATO POR TELEFONE, CORREIO ELETRÔNICO MALA DIRETA, SMS OU OUTROS MEIOS DE COMUNICAÇÃO;
  • ELABORAR ESTATÍSTICAS GERAIS, SEM QUE HAJA IDENTIFICAÇÃO DO USUÁRIO;
  • RESPONDER ÀS DÚVIDAS E SOLICITAÇÕES DO USUÁRIO;
  • REALIZAR CAMPANHAS DE COMUNICAÇÃO E MARKETING DE RELACIONAMENTO;
  • COMUNICAR-SE COM O USUÁRIO, A FIM DE LHES DAR INFORMAÇÕES ADMNISTRATIVAS;
  • CUMPRIMENTO DE OBRIGAÇÕES LEGAIS, INCLUINDO REGULAMENTOS SETORIAIS E REGRAS FISCAIS; E
  • EXERCÍCIO REGULAR DE DIREITO EM PROCESSO JUDICIAL, ADMINISTRATIVO OU ARBITRAL

Sempre que as finalidades de tratamento depender de autorização expressa do Usuário, esta será solicitada no momento do cadastro físico ou digital, na contratação dos serviços educacionais, contrato de trabalho ou por ações específicas conforme necessidade.

DADOS PESSOAIS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES

Considerando a prestação de serviços educacionais também à nível do ensino fundamental e médio, ao concordar com os termos desta Política de Privacidade, o responsável legal, afirma ter ciência de que serão coletados dados pessoais necessários para a execução dos serviços, assim como para cumprimento de obrigações legais e exercício regular de direitos, inclusive para armazenamento após o termino do contrato, sendo que a não concordância com os respectivos tratamentos, acarreta na impossibilidade de prestação dos serviços educacionais.

O responsável legal, toma ciência de que no caso de revogação do consentimento ou oposição a qualquer tratamento, após serem coletados os dados, estes permanecerão armazenados, quando necessário para atendimento de obrigações legais e exercício regular de direitos.

Nas demais hipóteses de tratamento será coletado o consentimento no contrato de matrícula ou em outro momento oportuno.

COMPARTILHAMENTO DE DADOS PESSOAIS

O banco de dados formados pelo cadastro, matrícula ou qualquer outro meio junto à FAAP é de propriedade desta e será compartilhado apenas para as finalidades específicas de execução do contrato (o que pode incluir compartilhamento com parceiros, prestadores de serviços/operadores e suboperadores.

No caso do setor de carreiras, os dados dos alunos que se candidatam às vagas, poderão ser compartilhados com as empresas parceiras e solicitantes do encaminhamento de currículos, para seleção e contratação

Além disso, a FAAP poderá compartilhar dados pessoais de sua base com parceiros, sempre que for em benefício aos titulares de dados pessoais, desde que devidamente autorizados, quando o tratamento não tiver justificativa nas demais hipóteses legais excludentes do consentimento.

No caso de parceria com Universidades de outros países poderá ocorrer a transferência internacional dos dados pessoais, ficando ciente o aluno, deste tratamento quando tiver como base a execução dos serviços a serem prestados ou será coletado o consentimento para ações independentes.

Em todo compartilhamento, a FAAP prezará pelo comprometimento dos operadores e parceiros envolvidos no tratamento dos dados pessoais, utilizando-se de cláusulas contratuais e protocolos de segurança que garantam a proteção e privacidade dos dados que lhes foram compartilhados exigindo o mesmo nível de proteção destes agentes.

Todo compartilhamento será pautado no princípio da necessidade atentando-se ao mínimo necessário para atingir às finalidades esperadas.

Exemplo de compartilhamentos:

  • Outras universidades para fins de parcerias em eventos;
  • Com empresas parceiras para concessão de benefícios;
  • Com autoridades judiciais, mediante determinação legal.

Poderão ser compartilhados com quaisquer parceiros, dados estatísticos como índice de alunos ou colaboradores por gênero, região de moradia, idade, entre outros, desde que anonimizados e os dados cujo compartilhamento foi expressamente autorizado pelo titular e/ou responsável.

A não ser por obrigação legal, incluindo determinação judicial, ou autorização expressa, os Dados do usuário jamais serão transferidos a terceiros que não sejam parceiros ou empresas autorizadas pela FAAP ou usadas para finalidades diferentes daquelas para as quais foram coletadas e informadas ao titular.

ARMAZENAMENTO DOS DADOS PESSOAIS:

Os dados coletados são armazenados em servidores externos, localizados no exterior e alguns dados permanecem em servidor próprio.

Os dados são armazenados em ambiente seguros e controlados, incluindo dados de acesso e registros de logs, sempre em atendimento aos prazos legais.

DA ATUALIZAÇÃO E VERACIDADE DOS DADOS FORNECIDOS

O USUÁRIO GARANTE A VERACIDADE E EXATIDÃO DOS DADOS QUE FORNECER À FAAP, OU SEJA, A FAAP NÃO TEM QUALQUER RESPONSABILIDADE NO CASO DE INSERÇÃO DE DADOS FALSOS OU INEXATIDÃO DOS DADOS PESSOAIS INFORMADOS PELO USUÁRIO À FAAP.

É de responsabilidade do próprio titular ou responsável legal (quando aplicável) a ratificação ou retificação das informações fornecidas, quando necessário.

DOS DIREITOS DO TITULAR DOS DADOS PESSOAIS

A Lei garantiu ao Usuário determinados direitos em relação às informações pessoais que estão sob a tutela da FAAP, em função das coletas e tratamentos realizados, esses direitos estão elencados no art. 18º, quais sejam:

  • confirmação da existência de tratamento;
  • acesso aos dados;
  • correção de dados incompletos, inexatos ou desatualizados;
  • anonimização, bloqueio ou eliminação de dados desnecessários, excessivos ou tratados em desconformidade com a Lei;
  • portabilidade dos dados a outro fornecedor de serviço ou produto, mediante requisição expressa, de acordo com a regulamentação da autoridade nacional, observados os segredos comercial e industrial; (ANPD ainda irá regulamentar sobre a portabilidade)
  • eliminação dos dados pessoais tratados com o consentimento do titular.
  • informação das entidades públicas e privadas com as quais o controlador realizou uso compartilhado de dados;
  • informação sobre a possibilidade de não fornecer consentimento e sobre as consequências da negativa;
  • revogação do consentimento;

Além disso, o titular poderá solicitar cópia de seus próprios dados pessoais e opor-se à recepção de mensagens de marketing. Neste caso o descadastramento destas mensagens poderá ser feito pelo e-mail faleconosco@faap.br.

Esclarecemos que ao optar por não receber mensagens de marketing não significa que deixará de receber mensagens relacionadas com os seus cursos e outras informações administrativas.

CASO VOCÊ QUEIRA ENTRAR EM CONTATO PARA OBTER MAIS INFORMAÇÕES SOBRE O TEMA, REGISTRAR UMA RECLAMAÇÃO OU FAZER QUALQUER REQUISIÇÃO RELACIONADA AO TRATAMENTO DE DADOS PESSOAIS EFETUADO PELA FAAP, ENTRE EM CONTATO PELO E-MAIL PRIVACIDADE@FAAP.BR

FAAP busca tratar e armazenar os seus dados somente durante o tempo estritamente necessário. Na hipótese de tratar-se de aluno os dados serão mantidos e compartilhados com as autoridades em obediência a prescrições legais.

Antes de solicitar exclusão de dados verifique o enquadramento: (i) necessidade de armazenamento por período exigido em lei; (ii) pelos períodos legalmente definidos para fins de investigação e ações judiciais; e (iii) pagamentos e faturas e demais obrigações de natureza fiscal.

DO NÃO FORNECIMENTO DOS DADOS:

O não fornecimento dos dados pessoais necessários para execução do contrato acarretará na impossibilidade de contratação e de execução dos serviços.

No caso do teatro FAAP, o não fornecimento dos dados pessoais na aquisição dos ingressos, mediante compra física, poderá acarretar na ausência de contato e comunicação no caso de situações emergenciais, como por exemplo, no caso de cancelamento de eventos.

Outros dados quando não indicados como obrigatórios e coletados com base no consentimento poderá impossibilitar algumas ações propostas para beneficiar os titulares.

COMO SERÃO PROTEGIDAS AS INFORMAÇÕES PESSOAIS?

A FAAP empenha-se em tomar todos os tipos de medidas administrativas, técnicas e físicas de cunho preventivo em relação à segurança e privacidade durante a execução de suas atividades envolvendo dados pessoais, desde o treinamento e conscientização dos colaboradores, até o uso de tecnologias de criptografia e firewall avançadas.

Se nossos sites possuírem ligações com sites de terceiros, é possível que durante sua navegação você seja direcionado a esses sites. Nesses casos, a responsabilidade sobre a segurança e proteção dos seus dados caberá aos referidos terceiros, de forma que recomendamos a leitura dos termos de uso, políticas de privacidade e de cookies dos respectivos sites.

Este cenário também se aplica às hipóteses em que você divulgue seus dados pessoais em plug-ins sociais e sites de busca. Nesses casos, o tratamento dos dados será realizado pelos terceiros em questão e, novamente, sugerimos a leitura dos termos de uso, política de privacidade e de cookies destes respectivos sites/terceiros.

INEXISTÊNCIA DE VÍNCULO

O presente instrumento e as obrigações e direitos aqui previstos não importam na criação de qualquer vínculo trabalhista, societário, de parceria ou associativo entre o Usuário e a FAAP, sendo excluídas quaisquer presunções de solidariedade entre ambos no cumprimento de suas obrigações.

EVENTOS DE CASO FORTUITO E FORÇA MAIOR

A FAAP não se responsabiliza por quaisquer eventos oriundos de caso fortuito ou força maior, assim entendidas as circunstâncias imprevisíveis e inevitáveis que impeçam, total ou parcialmente, a execução das obrigações assumidas.

DO ENCARREGADO PELO TRATAMENTO DE DADOS PESSOAIS DA FAAP

Atendendo aos requisitos e nos termos da LGPD, a FAAP nomeou o encarregado (DPO) pela proteção de dados pessoais, cuja é o responsável pelas orientações e atendimentos relacionados ao tema.

Para entrar em contato:

Para quaisquer dúvidas ou demandas relacionadas especificamente ao tema proteção de dados pessoais, o atual Encarregado poderá ser contatado conforme dados a seguir:
DPO: Cristina Sleiman – privacidade@faap.br
Endereço para correspondência: RUA ALAGOAS, Nº903 – HIGIENÓPOLIS – setor jurídico

DISPOSIÇÕES FINAIS

A FAAP reserva-se o direito de modificar, acrescentar ou remover conteúdos e partes desta política a qualquer momento e a seu exclusivo critério. Neste caso a FAAP informará aos titulares de dados sobre atualizações de suas Políticas, o que não isenta o titular de consultá-la com regularidade. Recomendamos que você consulte esta política quando tiver alguma dívida e sempre que navegar por nossos sites

Os direitos e obrigações decorrentes deste documento poderão ser cedidos a qualquer empresa pertencente à FAAP. Na eventualidade de qualquer das disposições deste documento vir a ser considerada nula, anulável ou inaplicável, por qualquer razão, as demais disposições deste contrato permanecerão em vigor e inalteradas, continuando a vincular as partes.

Ao navegar pelo Portal FAAP, você aceita guiar-se pelos Termos de Uso e Políticas de Privacidade e de Cookies, que se encontrarem vigentes na data de seu acesso, portanto, deve verificar os mesmos previamente cada vez que visitar o Portal FAAP.

Este instrumento será regido e interpretado de acordo com a legislação brasileira, eleito o Foro da Comarca de São Paulo, Estado de São Paulo, para questões a ele relativas, com renúncia expressa a qualquer outro.

Data da atualização desta Política: novembro/2021