Semana de Relações Internacionais 2009

9ª Semana de RI focaliza os principais temas da Agenda Internacional

De 9 a 13 de março o Curso de Economia realizou a tradicional Semana de Relações Internacionais, que em sua nona edição teve por tema geral Temas da Agenda Internacional. A organização da Semana, a exemplo de edições anteriores, envolveu, alunos e professores, além dos integrantes da Coordenação e Direção dos Cursos.

Com a criação do curso de RI no período noturno e graças à acentuada integração dos cursos de RI e de Ciências Econômicas, por decisão da direção do curso, as semanas acadêmicas passam, a partir de 2009, a ter a participação de todos os alunos matriculados. Assim, tanto na Semana de RI, realizada no primeiro semestre do ano, como na Semana da RelInter, realizada no segundo semestre, participam os alunos dos dois cursos, o que, sem dúvida, agrega ainda mais valor à sua formação acadêmica.

Outra novidade da edição deste ano é que além de palestras nos períodos na manhã e da noite, houve uma programação complementar no período da tarde, com o objetivo de estimular um envolvimento mais ativo dos alunos, em especial dos que recém ingressaram no curso, com a vida acadêmica e as diversas oportunidades de participação que a FAAP lhes oferece.

A sessão de abertura no período matutino abordou um tema que é considerado dos mais preocupantes da atualidade, o da relação entre Isael e Palestina. Com o título Faixa de Gaza: os dois lados da moeda, o painel contou com a presença de dois gabaritados expositores: os professores Samuel Feldberg, das Faculdades Integradas Rio Branco, e Ali El-Khatib, da FACAMP.

Em sua exposição, o professor Feldberg procurou mostrar que os recentes conflitos na Faixa de Gaza ocorreram por absoluta incapacidade de se chegar a um acordo, uma vez esgotadas todas as tentativas de negociação. Entre os motivos dessa incapacidade, um dos principais reside na insistência do Hamas de não reconhecer a existência do Estado de Israel. Enquanto a representação do Hamas – e essa posição radical – continuar sendo reconhecida pelo governo da Palestina, Israel não deverá alterar sua posição de não negociar qualquer acordo oficial. O professor El-Khatib, por seu turno, procurou mostrar que a manutenção do clima de conflito na região de Gaza deve-se ao desinteresse de Israel de explorar todas as possibilidades de obtenção de uma paz justa, o que se verifica desde a criação do Estado de Israel em 1848, e se repete com as sucessivas recusas do país de atender as resoluções das Nações Unidas. O professor El-Khatib concluiu sua exposição afirmando não ser possível obter uma paz justa enquanto houver gente vivendo em regiões ocupadas, muitas delas na condição de refugiados, e enquanto Israel continuar se preocupando em ter um exército extremamente poderoso, tanto na preparação de seus efetivos como na sofisticação de seus equipamentos.

Evidentemente, dada a complexidade do tema e a acentuada polêmica em torno do mesmo, os participantes do painel foram obrigados a responder a um enorme número de perguntas da platéia, muitas das quais revelando profundo grau de conhecimento sobre os detalhes do conflito de Gaza.

Na parte da tarde, os integrantes do Diretório Acadêmico Roberto Simonsen, do staff do V Fórum FAAP de Discussão Estudantil e da Federação Nacional dos Estudantes de Relações Internacionais (FENERI) organizaram uma série de atividades sob a denominação de FAAP Tour. Além de conhecerem os diferentes departamentos da FAAP e os serviços por eles oferecidos, os alunos participantes fizeram uma visita às instalações da Academia, da Atlética, da Biblioteca, da Central de Estágios, da Junior FAAP, do Museu de Arte Brasileira, da FENERI, do Teatro FAAP e, ao final, puderam participar de um bate papo com diversos professores do Curso de Economia.

Abrindo a programação da Semana de RI no período noturno, o professor da Universidad del Salvador de Buenos Aires e secretário acadêmico do Consejo Argentino para las Relaciones Internacionales (CARI), Federico Merke, ministrou a palestra Poder, governança e desenvolvimento: o lugar do Brasil na sociedade internacional sul-americana.

Depois de abordar, na primeira parte de sua exposição, aspectos de ordem conceitual envolvendo questões como balanço de poder e governança, durante a qual apontou a ruptura de uma visão consensual de como organizar o sistema internacional, Federico Merke analisou o papel do Brasil no mundo e no contexto de uma sociedade internacional sul-americana. A rigor, Merke focalizou um assunto que se torna cada vez mais perceptível para quem tem tido a oportunidade de viajar pelos países da América do Sul, ou seja, o fato de o Brasil ser encarado como uma potência regional, o que acarreta, de imediato, consequências positivas e negativas. Entre as positivas, destaca-se o fato de ser reconhecido regional e internacionalmente como uma liderança cada vez mais consolidada, o que lhe confere uma influência muito maior do que a de qualquer de seus vizinhos nos principais fóruns internacionais. Entre as negativas, o fato de ser visto como uma nação imperialista por seus principais vizinhos, assim como a constatação de que o Brasil não conseguiu apoio recentemente para os postos pleiteados por seus representantes em diversos organismos multilaterais. Em síntese, Federico Merke deixou para a reflexão dos alunos e professores presentes à sua palestra uma questão que foi levantada meses atrás pelo presidente Fernando Henrique Cardoso na cerimônia comemorativa aos dez anos do centro Brasileiro de Relações Internacionais (CEBRI), qual seja, em termos de política externa, o que, afinal, o Brasil quer ser: o maior entre os menores ou o menor entre os maiores?

A manhã do segundo dia da Semana de RI apresentou uma palestra que despertou enorme interesse por parte de alunos e professores desde o momento em que a programação se tornou conhecida. Numa iniciativa em parceria com a Associação Comercial de São Paulo e contando com o apoio das Fundações Liberdade e Cidadania, Teotônio Vilela e Astrojildo Pereira, o neurocientista, consultor político Drew Westen, que é professor da Emory University, em Atlanta, Geórgia, ministrou a palestra O papel da emoção no destino das Nações. Baseada no livro O cérebro político, que acaba de ser lançado em português (UniAnchieta Editora), a palestra de Drew Westen é repleta de exemplos da última disputa presidencial norte-americana e aponta erros e acertos verificados nas campanhas dos dois candidatos.

Seu argumento central é de que na política, quando razão e emoção colidem, a emoção invariavelmente ganha. Isto ocorre porque a emoção é responsável por valores, imagens, analogias, sentimentos morais e discursos envolventes, que são fatores fundamentais para a tomada de decisão dos eleitores e sobre os quais a lógica exerce papel apenas de suporte. Após afirmar que enquanto os democratas são bons argumentadores, os republicanos são mestres em emoção Drew Westen procurou demonstrar, com base nos seus conhecimentos da evolução do cérebro passional e numa excursão por 50 anos de eleições presidenciais americanas, as razões pelas quais as campanhas são bem ou mal sucedidas.

A evidência aponta, segundo Drew Westen, que três fatores determinam o voto, nesta ordem: os sentimentos em relação aos partidos e seus princípios; os sentimentos em relação aos candidatos; e, para os indecisos, os sentimentos em relação às posições políticas dos candidatos.

Constata-se claramente uma diferença nessa realidade apontada por Westen em relação ao Brasil, uma vez que em nosso país a sequência é diferente, com os eleitores fazendo suas escolhas levando em conta primeiro os candidatos, visto que a estrutura partidária é frágil, não existe fidelidade partidária e tem sido recorrente em nossa história recente a troca de partido por parte de muitos de nossos políticos, alguns dos quais por diversas vezes.

Drew Westen citou ainda os princípios que devem ser observados nas campanhas para que uma mensagem seja efetiva: 1º - se você não senti-lo, não o use; 2º - molde mensagens de impacto emocional; 3º - coloque sua mensagem no nível certo; 4º - apele para o cérebro inteiro.

Ao final de sua fala, o palestrante autografou dezenas de exemplares de seu livro, em cuja capa há a seguinte declaração do presidente Bill Clinton: “Este é o mais interessante e informativo livro sobre política que já li em muitos anos... Se você quer saber por que os candidatos ganham ou perdem eleições e o que os eleitores procuram em um líder – se você é um eleitor ou candidato interessado em um cargo público – tem de ler este livro.”

No período da tarde, a programação contemplou o depoimento da tripulação do veleiro Ambersail, que ancorou no Iate Clube de Santos no dia 7 de março, em passagem pelo Brasil na sua viagem de volta ao mundo, como parte das 700 atividades culturais que estão sendo realizadas em 2009, em comemoração aos mil anos de existência da Lituânia.

Os alunos que se dispuseram a ficar na FAAP no período da tarde foram brindados com uma excelente apresentação, intitulada A Odisséia do Milênio: um único nome – Lituânia, que foi coordenada pelo engenheiro formado pela FAAP e atual cônsul honorário da Lituânia em São Paulo, Francisco Ricardo Blaguevitch. Os velejadores Simonas Stepanovicius, Raimundas Daubaras e Mantas Zalatorius se alternaram num relato que contemplou o planejamento da viagem e os principais momentos desse empreendimento que contou com a colaboração de cerca de 150 pessoas em regime de voluntariado. O Ambersail deixou o porto de Klaipéda, no Mar Báltico em 5 de outubro de 2008 e tem seu regresso previsto para o dia 6 de julho, dia que marca as comemorações da coroação do Rei Mindaugas da Lituânia.

Antes de o grupo iniciar a viagem, o presidente lituano, Valdas Adamkus (que esteve na FAAP ministrando palestra em 2008), fez questão de entregar a cada velejador uma carta destinada às comunidades lituanas espalhadas em todo o mundo. Dirigindo-se aos seus compatriotas, cada mensagem é, na verdade, um convite para que, juntos, todos celebrem o “Milênio da Lituânia”. Simbolicamente, a bandeira da presidência da Lituânia, entregue pelo próprio presidente ao grupo de navegadores como sinal de solidariedade e apoio à missão, contribui para projetar o país no cenário internacional e cultural.

A rota do Ambersail inclui 11 etapas, com tripulações diferentes. Durante as primeiras, já realizadas, o nome da Lituânia foi levado a quatro continentes do mundo, com visitas às comunidades lituanas da Alemanha, Ilhas Canárias, República da África do Sul, Austrália, Nova Zelândia, Uruguai e Argentina.

A sessão noturna do segundo dia da Semana de RI teve por tema a China e, tratando do tema, tivemos dois interessantes depoimentos. O primeiro, do professor José Roberto Araújo de Cunha Jr., atual presidente do Sindicato dos Economistas no Estado de São Paulo e que passou os últimos seis meses de 2008 como professor convidado na Universidade de Economia e Negócios Internacionais (UIBE) em Beijing. O segundo, de Paulo Farkas Bitelman, aluno formado na terceira turma do curso de RI da FAAP e que, pouco tempo depois, teve a oportunidade de morar na China por um período de três anos.

Em seu relato, Cunha Jr. falou de sua experiência na UIBE, uma instituição criada em 1951 e que conta atualmente com 13.000 mil alunos, 2.600 dos quais estrangeiros, sendo que 80% do total dos alunos vive nas dependências da própria universidade. Apesar do tempo reduzido, procurou abordar aspectos da história, da cultura, da educação e da política local, evitando se limitar apenas aos aspectos econômicos, fartamente divulgados pelos diferentes meios de comunicação.

Paulo Farkas Bitelman, por sua vez, iniciou sua exposição exibindo um filme de cerca de dez minutos que ele mesmo produziu e que ilustra magnificamente o seu dia-a-dia na China. A seguir, falou de sua experiência como jovem executivo encarregado de abrir uma empresa num país estrangeiro de enorme importância no cenário econômico internacional, realçando oportunidades e dificuldades encontradas na realização de negócios.

Chamou a atenção dos presentes o fato de ambos os palestrantes terem destacado a imperiosa necessidade de se ter um prévio conhecimento da cultura chinesa não só para facilitar a convivência, mas, sobretudo, para viabilizar a realização de negócios.

O terceiro dia da Semana de RI esteve voltado, nos períodos matutino e noturno, à crise financeira internacional. Na parte da manhã, Renato Baumann, economista que desde 1995 dirige o escritório brasileiro da CEPAL – Comissão Econômica para a América Latina e Caribe, tratou do tema O impacto da crise na América Latina, mostrando que a crise que assola a economia mundial tem um efeito particularmente perverso sobre a maior parte dos países latino-americanos uma vez que os atinge após um período de crescimento acelerado, durante o qual, paralelamente ao aumento do produto (PIB), verificou-se também, em muitos desses países, significativa elevação do gasto público.

Apesar desse impacto negativo, Baumann afirmou que em comparação com outras épocas, a América Latina e o Caribe encontram-se em situação mais satisfatória para enfrentar os efeitos da crise, o que não evita a revisão das previsões da taxa de crescimento para 2009.

Na segunda parte de sua exposição, Renato Baumann procurou indicar algumas das principais ações que vem sendo adotadas pelos países da região, quase todas elas sinalizando para políticas econômicas de orientação keynesiana, o que se traduz em política monetária ativa, maior intervenção governamental na economia e esforços localizados no sentido de evitar a expansão acentuada do desemprego. Concluindo sua exposição, Baumann apontou algumas lições que podem ser extraídas da atual crise e chamou atenção para a necessidade de se ter uma visão de longo prazo, escapando da tentação de se fixar em ações de curto prazo, suficientes apenas para ações pontuais semelhantes à de bombeiros procurando eliminar focos de incêndio.

Na sessão da noite, o coordenador da FAAP-MBA, fez a palestra A crise internacional e as regras de sobrevivência. Sua apresentação foi subdividida em três partes: os antecedentes e a crise financeira internacional; os reflexos sobre o Brasil; as regras de sobrevivência na crise.

Na primeira, fez um relato detalhado de como a crise foi se formando e, para tanto, mostrou uma série de indicadores das economias britânica e norte-americana, sintetizadas por ele na expressão “ondas sucessivas de choque”. Em seguida, explicou o funcionamento dos fatores de avaliação de crédito nos Estados Unidos (gráfico 2), para, em seguida, mostrar o conceito de subprime e seu impacto no mundo real, uma vez que de 2001 a 2006 as hipotecas subprimepassaram de 8,8 para 20,1% do total das hipotecas emitidas no país.

Dando prosseguimento à palestra, indicou os principais pontos do sistema de securitização, uma das bases do funcionamento do sistema financeiro nos Estados Unidos. Esse sistema, adotado a partir do New Deal em 1933, tem como protagonistas as securitizadoras Fannie Mae (1933) e Freddie Mac (1971), responsáveis pelas garantias para hipotecas securitizadas.

Na etapa seguinte, mostrou o aguçamento da crise e seu rápido processo de disseminação no segundo semestre do ano passado, ilustrando com a redução dos valores de diversos bancos e a redução do valor das ações de empresas brasileiras na Bolsa de Valores.

Na penúltima parte de sua palestra, o professor Tharcisio apresentou um resumo macroeconômico da situação atual, destacando:

Finalizando sua palestra, ousou indicar seis regras de sobrevivência para as empresas na crise:

Na parte da tarde os organizadores do V Fórum FAAP de Discussão Estudantil, simulação de assembléias e reuniões de organismos internacionais que será realizada de 30 de abril a 3 de maio coma participação de 394 estudantes de ensino médio de diversas escolas do País, promoveram um simulado de uma reunião do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), com o objetivo de mostrar como funciona esse tipo de evento, estimulando assim a participação de alunos recém ingressados no curso e que poderão iniciar sua participação no Fórum FAAP, atuando como voluntários, primeiro passo de uma carreira que poderá levá-los a diretores de comitês ou secretários-gerais em edições futuras.

Se o terceiro dia da Semana de RI foi voltado para a crise financeira internacional, o quarto dia foi voltado à política internacional tendo por pano de fundo a chegada de Barack Obama à presidência dos Estados Unidos.

Na sessão matutina, o professor e cientista político Oliveiros Ferreira ministrou a palestra O governo Barack Obama e os desafios da política externa norte-americana. Do alto de sua vasta e reconhecida experiência, Oliveiros Ferreira iniciou sua palestra fazendo um mapeamento dos principais desafios a serem enfrentados por Barack Obama em todo o mundo, incluindo o Iraque, o Afeganistão, a Coréia do Norte, além de Irã, Israel e outros considerados de menor importância. Na fase final de sua fala, Oliveiros Ferreira destacou a importância da crise econômico-financeira atual, identificando na mesma um papel chave não apenas para o sucesso ou fracasso da política externa norte-americana, mas também como algo que exigirá uma ampla reflexão sobre a globalização e, em última instância, das próprias relações internacionais. Concluindo sua exposição, Oliveiros Ferreira reconheceu a importância da chegada de Barack Obama à presidência dos Estados Unidos e disse acreditar ser ele a única pessoa no mundo capaz de garantir a estabilidade internacional, o que dependerá, evidentemente, de uma postura muito menos isolacionista do que a de seu antecessor.

Na sessão noturna, a professora Cristina Pecequilo, atualmente vinculada à UNESP, proferiu a palestra Obama e Hillary: reformando a hegemonia. No começo de sua exposição, a professora mencionou o fato de que o presidente Obama chega ao poder no momento em que estamos completando duas décadas do fim da Guerra Fria e em que os Estados Unidos atravessam, além de uma crise econômica, também uma crise política e social, o que exige uma ofensiva inicial capaz de cumprir as promessas de campanha. Essa ofensiva inclui: a recuperação econômica, as questões relacionadas aos direitos civis e aos direitos humanos (tortura, Guantanamo), a retirada das tropas do Iraque, a revisão da missão no Afeganistão, a postura multilateral, o smart power, a valorização de parceiros e a flexibilização das políticas em Cuba.

Em seguida, Cristina Pecequilo explicou aquilo que ela chama de refundação: a liderança hegemônica multipolar e/ou a nova hegemonia, o que exige um esforço de recriação que combine uma atualização estrutural que engloba o exercício do poder hegemônico (base social e raízes do poder; conteúdo da liderança) e um novo sistema internacional (novos equilíbrios de poder, tensões periféricas, organizações internacionais, processos de negociação, democratização das relações internacionais).
Na parte final de sua fala, Cristina Pecequilo procurou fazer algumas especulações a respeito das possíveis consequências dessas estratégias de Obama e Hillary para o Brasil.

Na parte da tarde, ocorreu a projeção do filme Promessas de um novo mundo, seguida de um debate coordenado pelos professores Guilherme Casarões e João Grinspum Ferraz. Produzido em 2001, o, filme apresenta, de um lado, crianças palestinas; de outro, israelenses. São filhas da guerra e vivem num mundo onde o ódio é parte do dia-a-dia. Mas o que acontece quando meninos e meninas separados por diferenças religiosas, étnicas e políticas ousam se encontrar com o “inimigo”? Sem mocinhos nem vilões, este documentário é um emocionante registro de como vivem e o que pensam essas crianças – uma procura por respostas para a pergunta: há chance de paz no Oriente Médio?

A manhã do último dia da Semana de RI abordou um tema de extraordinária importância na agenda internacional, uma vez que encontramo-nos num momento decisivo para o estabelecimento das normas gerais do protocolo que substituirá o de Kyoto a partir de 2014. Para tratar deste tema, a Comissão Organizadora convidou Fabio Feldmann, sem qualquer favor um dos maiores especialistas no assunto.

Fabio Feldmann iniciou sua palestra intitulada Desafios da sustentabilidade no contexto globalexplicando como se deu a evolução da consciência ambiental desde a década de 1970 até os dias de hoje. Nessa fase, além de explicar conceitos essenciais para a compreensão dos principais problemas climáticos, como o efeito estufa mostrado na figura 1, o palestrante citou também os momentos mais marcantes dessa trajetória como o surgimento de ONGs importantes (Greenpeace, Anistia Internacional, SOS Mata Atlântica, WWF, The Nature Conservancy), a Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente, realizada em Estocolmo em 1972, a criação do Painel Intergovernamental de Mudança do Clima em 1988, a Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento - RIO 92, a Agenda 21, o Protocolo de Kyoto de 1997, a Cúpula do Milênio e o Global Compact em 2000, a Cúpula Mundial para o Desenvolvimento Sustentável, Joanesburgo (Rio+10) em 2002, a Avaliação Ecossistêmica do Milênio em 2005, o Relatório Stern em 2006 e, por fim, o Relatório do IPCC de 2007.

A última sessão da Semana de RI foi sobre o setor de bioenergia, com apresentação do presidente da UDOP – União dos Produtores de Bioenergia, José Carlos Toledo,. O palestrante começou fazendo um panorama do grupo e do que representa a energia no mundo, ou seja, o consumo de energia per capita no mundo é o que distingue os países desenvolvidos dos em desenvolvimento. Quanto mais avançada for uma sociedade, maior é o consumo de energia, tendo em vista que os aparelhos que dão comodidade à vida cotidiana são movidos a energia, como ar-condicionado, computadores, geladeiras etc.

Tendo em vista o preço do petróleo nos últimos anos e as preocupações com o aquecimento global, a busca por novas fontes de energia cresceu muito nos últimos anos. É nesse cenário que se insere o setor de bioenergia, principalmente com o etanol, que vem se desenvolvendo nos últimos trinta anos e no qual o Brasil é um dos líderes mundiais. Tal posição se deve à competitividade que a cana-de-açúcar possui frente aos outros concorrentes, quer em termos de produtividade por hectare, quer de custo de produção (gráfico 5).
As perspectivas apresentadas para o consumo de etanol misturado à gasolina em diversos países apontam para um aumento do consumo mundial desta commodity, tendo os Estados Unidos como o maior mercado. Contudo, hoje o maior cliente do Brasil é a Europa, responsável por 33% das nossas exportações. O mercado asiático, entretanto, é considerado muito promissor.

A expansão das exportações, no entanto, enfrenta uma série de barreiras nos diferentes mercados. Como exemplo, José Carlos Toledo citou: nos Estados Unidos, a tarifa de importação e os subsídios para a agricultura; na Coreia do Sul e no Japão, problemas técnicos de distribuição e confiança nos produtos brasileiros; e na União Européia, as cláusulas sócio-ambientais.

Por fim, foi discutido o impacto da atual crise financeira no setor. O palestrante afirmou que a situação econômica atual levou algumas usinas produtoras a enfrentar problemas financeiros, o que pode conduzir a um processo de consolidação do setor. Contudo, ele defendeu que as perspectivas futuras são muito promissoras, tanto para o etanol quanto para o açúcar, fazendo com que a demanda por bons profissionais continue aquecida.

Além dos alunos e professores do Curso de RelInter, graças aos esforços dos integrantes da FENERI, do D. A. Roberto Simonsen e do staff do Fórum FAAP, as diferentes sessões da Semana de RI foram assistidas também por alunos de outros cursos da FAAP, de outras instituições de ensino superior e, ainda, por estudantes de escolas de ensino médio que participarão do V Fórum FAAP de Discussão Estudantil.

Os componentes do painel que abriu a Semana de RI: professores Ali El Khatib, Gunther Rudzit, Samuel Feldberg e Pedro Brasil.
Professor Federico Merke, fazendo sua palestra na sessão de abertura da Semana de RI no período noturno, observado pelo coordenador do curso de RelInter, professor José Maria Rodriguez Ramos.
Flagrante da palestra do professor Drew Westen, que focalizou a relação entre razão e emoção nos processos eleitorais, observado por Alencar Burti, presidente da Associação Comercial de São Paulo, e embaixador Rubens Ricupero, diretor do Curso de Economia da FAAP.
Assim como na palestra de Drew Westen, os auditórios que foram palco das palestras da Semana de RI estiveram com sua capacidade plenamente ocupada.
Sob a coordenação do professor Antonio Sergio Bichir, assessor pedagógico do Curso de RelInter, os palestrantes que falaram sobre suas experiências na China: à esquerda, o professor José Roberto de Araújo Cunha Jr., e, à direita, o empresário Paulo Farkas Bitelman.
Professor José Maria Rodriguez Ramos, coordenador do curso de RelInter, professor Gunther Rudzit, coordenador do curso de RI, professor Luiz Alberto Machado, vice-diretor do Curso de RelInter, o palestrante Renato Baumann, e professor Otto Nogami.
Professores João Grinspum Ferraz, Denilde de Oliveira Holzhacker e Oliveiros Ferreira
Flagrante da palestra da professora Cristina Pecequilo.
O vice-diretor do Curso de Economia Luiz Alberto Machado, o embaixador Rubens Ricupero, diretor do Curso de RelInter, e Fabio Feldmann, na sessão final da Semana de RI no período matutino.
José Carlos Toledo, presidente da UDOP, na palestra sobre o setor de bioenergia, que fechou a Semana de RI.
As integrantes da comissão organizadora da 9ª Semana de RI, Juliana Baeza, diretora de pesquisa da FENERI, Ana Carolina Friedman, secretária-geral administrativa do V Fórum FAAP de Discussão Estudantil, e Bruna Aguiar, presidente do Diretório Acadêmico Roberto Simonsen, recebendo a homenagem da Diretoria do Curso de Economia por sua extraordinária colaboração.

Utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos sites, poderemos também personalizar a oferta de cursos e serviços e recomendar conteúdos de seu interesse. Conheça nossa Política de Cookies.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições e com nossa Política de Privacidade

Fechar X

Política de Cookies

A Política de Cookies regulamenta o acesso de Usuários para sua navegação no Portal FAAP –www.faap.br– e todos os respectivos hosts e em toda e qualquer mídia disponibilizada pela FAAP, doravante coletivamente designados PORTAL FAAP, tanto para leitura gratuita quanto para a pratica de atos dentro do portal. Em razão da utilização do Portal FAAP, a FAAP poderá coletar informações automaticamente.

O que são cookies?

Cookies são pequenos arquivos instalados nos computadores, telefones, smartphone, tablets ou qualquer dispositivo com acesso à internet, quando um navegador de internet é usado, com a finalidade de armazenar as preferências de navegação do Usuário. Esses arquivos permitem identificar o seu dispositivo numa próxima visita ao Portal FAAP e se o Usuário tem ou não Cadastro.

Quais cookies são utilizados pela FAAP e qual sua finalidade?

Os cookies permitem uma navegação mais rápida e eficiente e eliminando a necessidade de introduzir repetidamente as mesmas informações.

Comportamento da audiência: auxiliam a dimensionar as visitas ao site da FAAP; acompanham, armazenam e medem informações de comportamento de navegação a fim de oferecer um serviço mais personalizado, com recomendação de conteúdo, beneficiando a experiência do usuário no site e para aprimoramento do produto e/ou serviço.

Segurança: Protegem e permitem que você navegue em nosso ambiente em sua total funcionalidade com autenticação para evitar fraudes.

Os cookies utilizados podem ser:

Cookies permanentes- Ficam armazenados ao nível do navegador de internet (browser) nos seus dispositivos de acesso (pc, mobile e tablet) e são utilizados sempre que o usuário faz uma nova visita ao site. Geralmente são utilizados para direcionar a navegação de acordo com os interesses do usuário, permitindo-nos prestar um serviço mais personalizado.

Cookies de sessão - São temporários, permanecem nos cookies do seu navegador de internet (browser) até sair do site. A informação obtida permite identificar problemas e fornecer uma melhor experiência de navegação.
Depois de autorizar o uso de cookies, o usuário pode sempre desativar parte ou a totalidade dos nossos cookies.

Todos os browsers permitem ao utilizador aceitar, recusar ou apagar cookies, nomeadamente através da seleção das definições apropriadas no respetivo navegador. Pode configurar os cookies no menu "opções" ou "preferências" do seu browser.

Note-se que, ao desativar cookies, pode impedir que alguns serviços da web funcionem corretamente, afetando, parcial ou totalmente, a navegação no website.

Recordamos que ao desativar os cookies, partes do nosso site podem não funcionar corretamente.

Quais informações são coletadas?

  • - Tipo de navegador e suas configurações;
  • - Informações sobre outros identificadores atribuídos ao dispositivo;
  • - Preferências de navegação;
  • - O endereço IP a partir do qual o dispositivo acessa o site ou aplicativo móvel; - Informações sobre a localização geográfica do dispositivo quando ele acessa um site ou aplicativo móvel.
  • - Credenciais, conjunto de dados que o Usuário usa para se autenticar visando acessar determinadas áreas restritas e/ou funcionalidades exclusivas - Hábitos de navegação para mapear quais áreas são visitadas
  • - Interações de tempo, estimar qual foi o período de permanência no site

Posso ser identificado por meio dos cookies?

Se você está acessando o Portal como um Usuário Anônimo, sem se cadastrar ou sem se logar como Usuário do Portal, a FAAP só terá acesso às informações de seu perfil de navegação, mas não conseguirá identificá-lo como indivíduo.

No entanto, caso você navegue de forma anônima pelo Portal, mas depois venha a se cadastrar ou se logar, é possível que os cookies que foram captados na qualidade de Usuário Anônimo sejam vinculados a você, em razão do cruzamento de informações. Assim, os cookies em conjunto com seus dados fornecidos no cadastro poderão configurar dados pessoais que lhe identifiquem.

Preciso autorizar o uso de cookies?

IMPORTANTE: SE VOCÊ DESABILITAR O RECEBIMENTO DE COOKIES VOCÊ FICARÁ IMPEDIDO DE CELEBRAR CONTRATOS, ENVIAR FORMULARIOS, EFETUAR REQUERIMENTOS ENTRE OUTROS.

Por quanto tempo os cookies serão armazenados?

O período de armazenamento dos cookies que coletam informações de Usuários Anônimos pode variar. No entanto, o Usuário poderá apagar os cookies por meio da configuração de seu navegador. É importante ter em mente que os cookies serão recriados quando for retomada a navegação. Se você não concorda com a captura de cookies, pode sempre configurar seu navegador para que a coleta de cookies seja bloqueada, lembrando que, ao fazer isso, poderá fazer com que sua experiência de uso do Portal fique parcialmente prejudicada.

Posso impedir que sejam coletadas tais informações por meio dos cookies? Caso tenha interesse, é sempre possível desabilitar a coleta de informações mediante cookies por meio da configuração de seu próprio navegador. Abaixo estão algumas orientações gerais para que você possa especificar como os cookies são gerenciados após configurar seu navegador de preferência*

Navegadores em computadores

Chrome

Clique no menu do Chrome na barra de ferramentas do navegador.
Selecione Configurações.
Clique em Mostrar configurações avançadas.
Na seção Privacidade, clique em Configurações de conteúdo.
Na seção Cookies, selecione uma das seguintes configurações de cookies:
-Excluir cookies
-Bloquear cookies por padrão
-Permitir cookies por padrão
-Manter cookies e dados do site por padrão até você sair do navegador
-Abrir exceções para cookies de sites ou domínios específicos

Firefox

Abra o Firefox, abra o menu Editar e selecione Preferências.
Em Privacidade e segurança, selecione Cookies.
Você pode selecionar as seguintes configurações:
-Desativar cookies
-Ativar cookies apenas para o site de origem
-Ativar todos os cookies
-Perguntar antes de armazenar um cookie

Internet Explorer 9 ou 10

Toque ou clique em Ferramentas e, em seguida, selecione Opções da Internet.
Toque ou clique na guia Privacidade.
Em Configurações, mova o controle deslizante para a parte superior para bloquear todos os cookies ou para a parte inferior para permitir todos os cookies. Toque ou clique em OK.

Safari 5.1 (OS X Lion)

Selecione Safari e, em seguida, selecione Preferências.
Clique em Privacidade.
Na seção Bloquear cookies, especifique se e quando o Safari deve aceitar cookies de sites.
Para ver uma explicação das opções, clique no botão Ajuda (ponto de interrogação). Observação: se você quiser ver quais sites armazenam cookies em seu computador, clique em Detalhes.
Se configurar o Safari para bloquear cookies, talvez você tenha que aceitar temporariamente cookies para abrir uma página. Repita as etapas acima, selecionando Nunca. Quando sair, bloqueie os cookies novamente e remova os cookies da página.

iOS

Toque em Safari.
Toque em Bloquear cookies.
Selecione Nunca, De terceiros e anunciantes ou Sempre.

Dispositivos Móveis

Android

Toque no menu do Chrome, depois em Configurações.
Toque em Configurações de conteúdo (avançadas). Desmarque Aceitar cookies.

Kindle Fire HDX

Deslize para baixo a partir da parte superior da tela do Kindle e selecione Configurações.
Selecione Aplicativos.
Selecione Silk Browser.
Selecione Limpar dados do navegador.
Desmarque quais dados você deseja limpar (Limpar todos os dados decookies) e selecione OK.
*Note que as orientações gerais são meramente informativas para auxiliar o Usuário. A FAAP não se responsabiliza pela atualidade e precisão das informações. Orientações específicas e atuais poderão sempre ser localizadas dentro da seção de dúvidas/manual de instruções de cada navegador.

Fechar X

POLÍTICA DE PRIVACIDADE - FAAP

A FAAP - FUNDAÇÃO ARMANDO ALVARES PENTEADO, fundação de direito privado, com sede na Rua Ceará, 02, Higienópolis, Município de São Paulo, Estado de São Paulo, CEP 01243-010, inscrita no CNPJ/MF sob o n.º 61.451.431/0001-69 e toda sua equipe, se preocupa com a segurança e proteção de dados pessoais e preza pela privacidade de seus integrantes, sejam equipes ou candidatos, de forma que através desta Política de Privacidade, pretendemos ser transparentes e demonstrar nossa preocupação para com o tratamento de dados pessoais.

Esta Política de Privacidade tem por objetivo informar e apresentar esclarecimentos sobre o tratamento aplicado aos dados pessoais de todo e qualquer titular que se relacione com esta instituição, considerando a Lei Federal 13.709/2018 – Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD).

Para fins de aplicação desta Política, são considerados titulares de dados toda e qualquer pessoa física, sendo que na relação com a FAAP, podemos mencionar o colaborador, estagiário, estudante, candidato, responsável legal, fornecedor, parceiro, prestador de serviço, usuário de nossos sites e qualquer outra pessoa física que interaja de alguma forma conosco.

SOBRE OS AGENTES DE PROTEÇÃO DE DADOS PESSOAIS

A FAAP é Controladora de dados pessoais na relação existente com seus alunos, colaboradores, visitantes e terceirizados. Os prestadores de serviços e parceiros da FAAP, dependendo da relação, objetivos e autonomia sobre o tratamento de dados pessoais, poderão se enquadrar como operadores ou controladores em conjunto ou singulares, sejam eles pessoa física ou jurídica.

SOBRE A COLETA DE DADOS

Os dados e o modo de coleta podem variar conforme o produto/serviço utilizado, bem como pela maneira de uso e interação do consumidor junto à FAAP, sendo ele aluno ou não. Estas informações ainda podem ser obtidas por meio de um terceiro ou parceiro comercial que tenham permissão para partilhá-las conosco.

Os dados pessoais serão coletados nas seguintes hipóteses:

  • - Compra ou uso dos nossos cursos, produtos ou serviços;
  • - Registro e/ou interesse em um curso, produto ou serviço específico;
  • - Preferências de navegação;
  • - Subscrição em newsletters e/ou mailing list;
  • - Realização de contato por meio de algum dos canais de atendimento;
  • - Participação em processo seletivo e para contratações;
  • Quando as informações pessoais estiverem disponíveis publicamente.

As informações que podem ser coletadas, quando necessário, serão as seguintes:

INFORMAÇÕES DE USUÁRIOS DOS SITES, CANDIDATOS, COLABORADORES E ALUNOS
DADOS PESSOAIS COLETADOS
FINALIDADE

Nome completo, endereço, gênero, data de nascimento, RG, CPF, número de telefone, e-mail, profissão e ainda nome da mãe e do pai quando necessários, certidão de nascimento, título de eleitor, certificado de conclusão e histórico escolar e quitação de serviço militar.

Identificar e autenticar, cumprir com obrigações, possibilitar acesso aos recursos e funcionalidades do sistema, ampliar nosso relacionamento, informar sobre andamento das fases de seleção, informar sobre desempenho acadêmico, bem como resultados de processos seletivos, prevenção de fraudes, informações futuras sobre novos cursos e oportunidades, informações administrativas.
No caso do teatro, são coletados dados de identificação, de contato e de pagamento, para fins de efetivação do pagamento e para fins de contato com o consumidor, caso haja cancelamento, alteração de horário, bem como qualquer informação administrativa.

sexo

Para fins de atendimento de políticas de diversidade, em alguns casos para cumprimento de obrigação legal, bem como para métricas de inscrições ou contratações de colaboradores.

Dados bancários ou de cartão de crédito ou débito

Necessário para processamento de pagamentos, armazenados parcialmente após a transação.
Dados bancários de colaboradores são tratados para fins de deposito de salário.

Foto.

Identificação, autenticação, prevenção à fraude, acervo histórico da feira, divulgação dos participantes.

Voz, quando há contato por meio de algum dos canais de Serviço de Atendimento ao Consumidor (gravação do atendimento);

Poderá acontecer gravação do atendimento para fins de exercício regular de direitos.

Preferências por produtos, serviços e atividades específicas, sendo essas informações fornecidas pelo próprio consumidor, ou deduzível a partir da forma como ele usa os produtos e serviços;

Melhorar a sua experiência em nossos sites e personalização de ofertas e recomendações personalizadas

Histórico navegação para eventual uso de ofertas e recomendações personalizadas

Melhorar a sua experiência em nossos sites e personalização de ofertas e recomendações personalizadas

Informações sobre quais páginas foram acessadas pelo Usuário, qual é seu navegador, seu sistema operacional, seu IP, entre outros Algumas páginas do Portal também podem armazenar cookies, que consistem em pequenos arquivos instalados por sites nos computadores quando o navegador de internet é usado. Esses arquivos permitem identificar se um mesmo aparelho já fez uma visita anterior ao Portal, e se o Usuário tem ou não Cadastro.

Aperfeiçoar e customizar o atendimento aos usuários.

(para maiores esclarecimentos sobre os dados recolhidos através de cookies, web beacons e outras tecnologias, consulte nossa Política de Cookies)

INFORMAÇÕES DE USUÁRIOS DOS SITES, CANDIDATOS, COLABORADORES E ALUNOS
DADOS PESSOAIS COLETADOS
FINALIDADE

Dados relacionados à saúde de seus colaboradores e alunos, como atestados médicos, receitas e medicações

Prestar socorro imediato quando necessário, atendimento em ambulatório, abono de faltas

Dados relacionados à deficiência física e dados relacionados à crianças especiais, incluindo informações médicas e psicológicas

Para fins execução dos serviços contratados, atendimento à Lei de inclusão

Quaisquer Dados fornecidos pelos Usuários serão armazenados pelo tempo necessário para o atendimento de suas finalidades e a FAAP envidará os melhores esforços na manutenção da confidencialidade integridade e disponibilidade das informações que forem fornecidas.

TODOS OS DADOS PESSOAIS COLETADOS DOS USUÁRIOS SERÃO INCORPORADOS A BASE DE DADOS DA FAAP ATENDENDO AOS PRINCÍPIOS E BASES LEGAIS PREVISTAS NA LEGISLAÇÃO.

PARA FACILITAR O SEU ENTENDIMENTO, A FAAP PODERÁ UTILIZAR AS INFORMAÇÕES COLETADAS DOS USUÁRIOS, INCLUSIVE POR MEIO DE COOKIES, PARA OS SEGUINTES PROPÓSITOS GERAIS:

  • INFORMAR A RESPEITO DE SUAS ATIVIDADES, INCLUINDO EVENTOS, PEÇAS TEATRAIS E OFERTA DE CURSOS, POR CORREIO ELETRÔNICO MALA DIRETA, SMS OU OUTROS MEIOS DE COMUNICAÇÃO;
  • MANTER ATUALIZADOS OS CADASTROS DOS USUÁRIOS PARA FINS DE CONTATO POR TELEFONE, CORREIO ELETRÔNICO MALA DIRETA, SMS OU OUTROS MEIOS DE COMUNICAÇÃO;
  • ELABORAR ESTATÍSTICAS GERAIS, SEM QUE HAJA IDENTIFICAÇÃO DO USUÁRIO;
  • RESPONDER ÀS DÚVIDAS E SOLICITAÇÕES DO USUÁRIO;
  • REALIZAR CAMPANHAS DE COMUNICAÇÃO E MARKETING DE RELACIONAMENTO;
  • COMUNICAR-SE COM O USUÁRIO, A FIM DE LHES DAR INFORMAÇÕES ADMNISTRATIVAS;
  • CUMPRIMENTO DE OBRIGAÇÕES LEGAIS, INCLUINDO REGULAMENTOS SETORIAIS E REGRAS FISCAIS; E
  • EXERCÍCIO REGULAR DE DIREITO EM PROCESSO JUDICIAL, ADMINISTRATIVO OU ARBITRAL

Sempre que as finalidades de tratamento depender de autorização expressa do Usuário, esta será solicitada no momento do cadastro físico ou digital, na contratação dos serviços educacionais, contrato de trabalho ou por ações específicas conforme necessidade.

DADOS PESSOAIS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES

Considerando a prestação de serviços educacionais também à nível do ensino fundamental e médio, ao concordar com os termos desta Política de Privacidade, o responsável legal, afirma ter ciência de que serão coletados dados pessoais necessários para a execução dos serviços, assim como para cumprimento de obrigações legais e exercício regular de direitos, inclusive para armazenamento após o termino do contrato, sendo que a não concordância com os respectivos tratamentos, acarreta na impossibilidade de prestação dos serviços educacionais.

O responsável legal, toma ciência de que no caso de revogação do consentimento ou oposição a qualquer tratamento, após serem coletados os dados, estes permanecerão armazenados, quando necessário para atendimento de obrigações legais e exercício regular de direitos.

Nas demais hipóteses de tratamento será coletado o consentimento no contrato de matrícula ou em outro momento oportuno.

COMPARTILHAMENTO DE DADOS PESSOAIS

O banco de dados formados pelo cadastro, matrícula ou qualquer outro meio junto à FAAP é de propriedade desta e será compartilhado apenas para as finalidades específicas de execução do contrato (o que pode incluir compartilhamento com parceiros, prestadores de serviços/operadores e suboperadores.

No caso do setor de carreiras, os dados dos alunos que se candidatam às vagas, poderão ser compartilhados com as empresas parceiras e solicitantes do encaminhamento de currículos, para seleção e contratação

Além disso, a FAAP poderá compartilhar dados pessoais de sua base com parceiros, sempre que for em benefício aos titulares de dados pessoais, desde que devidamente autorizados, quando o tratamento não tiver justificativa nas demais hipóteses legais excludentes do consentimento.

No caso de parceria com Universidades de outros países poderá ocorrer a transferência internacional dos dados pessoais, ficando ciente o aluno, deste tratamento quando tiver como base a execução dos serviços a serem prestados ou será coletado o consentimento para ações independentes.

Em todo compartilhamento, a FAAP prezará pelo comprometimento dos operadores e parceiros envolvidos no tratamento dos dados pessoais, utilizando-se de cláusulas contratuais e protocolos de segurança que garantam a proteção e privacidade dos dados que lhes foram compartilhados exigindo o mesmo nível de proteção destes agentes.

Todo compartilhamento será pautado no princípio da necessidade atentando-se ao mínimo necessário para atingir às finalidades esperadas.

Exemplo de compartilhamentos:

  • Outras universidades para fins de parcerias em eventos;
  • Com empresas parceiras para concessão de benefícios;
  • Com autoridades judiciais, mediante determinação legal.

Poderão ser compartilhados com quaisquer parceiros, dados estatísticos como índice de alunos ou colaboradores por gênero, região de moradia, idade, entre outros, desde que anonimizados e os dados cujo compartilhamento foi expressamente autorizado pelo titular e/ou responsável.

A não ser por obrigação legal, incluindo determinação judicial, ou autorização expressa, os Dados do usuário jamais serão transferidos a terceiros que não sejam parceiros ou empresas autorizadas pela FAAP ou usadas para finalidades diferentes daquelas para as quais foram coletadas e informadas ao titular.

ARMAZENAMENTO DOS DADOS PESSOAIS:

Os dados coletados são armazenados em servidores externos, localizados no exterior e alguns dados permanecem em servidor próprio.

Os dados são armazenados em ambiente seguros e controlados, incluindo dados de acesso e registros de logs, sempre em atendimento aos prazos legais.

DA ATUALIZAÇÃO E VERACIDADE DOS DADOS FORNECIDOS

O USUÁRIO GARANTE A VERACIDADE E EXATIDÃO DOS DADOS QUE FORNECER À FAAP, OU SEJA, A FAAP NÃO TEM QUALQUER RESPONSABILIDADE NO CASO DE INSERÇÃO DE DADOS FALSOS OU INEXATIDÃO DOS DADOS PESSOAIS INFORMADOS PELO USUÁRIO À FAAP.

É de responsabilidade do próprio titular ou responsável legal (quando aplicável) a ratificação ou retificação das informações fornecidas, quando necessário.

DOS DIREITOS DO TITULAR DOS DADOS PESSOAIS

A Lei garantiu ao Usuário determinados direitos em relação às informações pessoais que estão sob a tutela da FAAP, em função das coletas e tratamentos realizados, esses direitos estão elencados no art. 18º, quais sejam:

  • confirmação da existência de tratamento;
  • acesso aos dados;
  • correção de dados incompletos, inexatos ou desatualizados;
  • anonimização, bloqueio ou eliminação de dados desnecessários, excessivos ou tratados em desconformidade com a Lei;
  • portabilidade dos dados a outro fornecedor de serviço ou produto, mediante requisição expressa, de acordo com a regulamentação da autoridade nacional, observados os segredos comercial e industrial; (ANPD ainda irá regulamentar sobre a portabilidade)
  • eliminação dos dados pessoais tratados com o consentimento do titular.
  • informação das entidades públicas e privadas com as quais o controlador realizou uso compartilhado de dados;
  • informação sobre a possibilidade de não fornecer consentimento e sobre as consequências da negativa;
  • revogação do consentimento;

Além disso, o titular poderá solicitar cópia de seus próprios dados pessoais e opor-se à recepção de mensagens de marketing. Neste caso o descadastramento destas mensagens poderá ser feito pelo e-mail faleconosco@faap.br.

Esclarecemos que ao optar por não receber mensagens de marketing não significa que deixará de receber mensagens relacionadas com os seus cursos e outras informações administrativas.

CASO VOCÊ QUEIRA ENTRAR EM CONTATO PARA OBTER MAIS INFORMAÇÕES SOBRE O TEMA, REGISTRAR UMA RECLAMAÇÃO OU FAZER QUALQUER REQUISIÇÃO RELACIONADA AO TRATAMENTO DE DADOS PESSOAIS EFETUADO PELA FAAP, ENTRE EM CONTATO PELO E-MAIL PRIVACIDADE@FAAP.BR

FAAP busca tratar e armazenar os seus dados somente durante o tempo estritamente necessário. Na hipótese de tratar-se de aluno os dados serão mantidos e compartilhados com as autoridades em obediência a prescrições legais.

Antes de solicitar exclusão de dados verifique o enquadramento: (i) necessidade de armazenamento por período exigido em lei; (ii) pelos períodos legalmente definidos para fins de investigação e ações judiciais; e (iii) pagamentos e faturas e demais obrigações de natureza fiscal.

DO NÃO FORNECIMENTO DOS DADOS:

O não fornecimento dos dados pessoais necessários para execução do contrato acarretará na impossibilidade de contratação e de execução dos serviços.

No caso do teatro FAAP, o não fornecimento dos dados pessoais na aquisição dos ingressos, mediante compra física, poderá acarretar na ausência de contato e comunicação no caso de situações emergenciais, como por exemplo, no caso de cancelamento de eventos.

Outros dados quando não indicados como obrigatórios e coletados com base no consentimento poderá impossibilitar algumas ações propostas para beneficiar os titulares.

COMO SERÃO PROTEGIDAS AS INFORMAÇÕES PESSOAIS?

A FAAP empenha-se em tomar todos os tipos de medidas administrativas, técnicas e físicas de cunho preventivo em relação à segurança e privacidade durante a execução de suas atividades envolvendo dados pessoais, desde o treinamento e conscientização dos colaboradores, até o uso de tecnologias de criptografia e firewall avançadas.

Se nossos sites possuírem ligações com sites de terceiros, é possível que durante sua navegação você seja direcionado a esses sites. Nesses casos, a responsabilidade sobre a segurança e proteção dos seus dados caberá aos referidos terceiros, de forma que recomendamos a leitura dos termos de uso, políticas de privacidade e de cookies dos respectivos sites.

Este cenário também se aplica às hipóteses em que você divulgue seus dados pessoais em plug-ins sociais e sites de busca. Nesses casos, o tratamento dos dados será realizado pelos terceiros em questão e, novamente, sugerimos a leitura dos termos de uso, política de privacidade e de cookies destes respectivos sites/terceiros.

INEXISTÊNCIA DE VÍNCULO

O presente instrumento e as obrigações e direitos aqui previstos não importam na criação de qualquer vínculo trabalhista, societário, de parceria ou associativo entre o Usuário e a FAAP, sendo excluídas quaisquer presunções de solidariedade entre ambos no cumprimento de suas obrigações.

EVENTOS DE CASO FORTUITO E FORÇA MAIOR

A FAAP não se responsabiliza por quaisquer eventos oriundos de caso fortuito ou força maior, assim entendidas as circunstâncias imprevisíveis e inevitáveis que impeçam, total ou parcialmente, a execução das obrigações assumidas.

DO ENCARREGADO PELO TRATAMENTO DE DADOS PESSOAIS DA FAAP

Atendendo aos requisitos e nos termos da LGPD, a FAAP nomeou o encarregado (DPO) pela proteção de dados pessoais, cuja é o responsável pelas orientações e atendimentos relacionados ao tema.

Para entrar em contato:

Para quaisquer dúvidas ou demandas relacionadas especificamente ao tema proteção de dados pessoais, o atual Encarregado poderá ser contatado conforme dados a seguir:
DPO: Cristina Sleiman – privacidade@faap.br
Endereço para correspondência: RUA ALAGOAS, Nº903 – HIGIENÓPOLIS – setor jurídico

DISPOSIÇÕES FINAIS

A FAAP reserva-se o direito de modificar, acrescentar ou remover conteúdos e partes desta política a qualquer momento e a seu exclusivo critério. Neste caso a FAAP informará aos titulares de dados sobre atualizações de suas Políticas, o que não isenta o titular de consultá-la com regularidade. Recomendamos que você consulte esta política quando tiver alguma dívida e sempre que navegar por nossos sites

Os direitos e obrigações decorrentes deste documento poderão ser cedidos a qualquer empresa pertencente à FAAP. Na eventualidade de qualquer das disposições deste documento vir a ser considerada nula, anulável ou inaplicável, por qualquer razão, as demais disposições deste contrato permanecerão em vigor e inalteradas, continuando a vincular as partes.

Ao navegar pelo Portal FAAP, você aceita guiar-se pelos Termos de Uso e Políticas de Privacidade e de Cookies, que se encontrarem vigentes na data de seu acesso, portanto, deve verificar os mesmos previamente cada vez que visitar o Portal FAAP.

Este instrumento será regido e interpretado de acordo com a legislação brasileira, eleito o Foro da Comarca de São Paulo, Estado de São Paulo, para questões a ele relativas, com renúncia expressa a qualquer outro.

Data da atualização desta Política: novembro/2021