Semana de Relações Internacionais 2007

Sétima edição da Semana de RI focaliza experiências de internacionalistas

Como de costume, os alunos de Relações Internacionais da FAAP organizaram a 7ª edição da Semana de Relações Internacionais, contando para tal com pleno apoio da Diretoria do Curso de Economia e do Diretório Acadêmico Roberto Simonsen. Na edição deste ano, a opção foi pelo relato de experiências de internacionalistas – que é como os bacharéis de relações internacionais gostam de ser chamados – de diversos segmentos de atividade, permitindo que os alunos do curso tivessem uma visão bastante abrangente das oportunidades que podem ter pela frente, quer como empreendedores, quer como funcionários de empresas de diferentes portes, tanto do setor público como do setor privado. Profissionais com vivências bastante diferenciadas puderam transmitir um pouco de suas experiências e conhecimentos por meio de relatos que mexeram com a platéia, entre os dias 19 e 23 de março.

Na abertura, a professora do curso de Relações Internacionais da PUC/SP, Flávia de Campos Mello, falou sobre o ensino, discorrendo a respeito das mudanças que os currículos dos cursos sofreram, dividindo essa evolução em três fases. Na primeira, predominou a visão tradicional: “Estudar RI era estudar a história das guerras e dos tratados de paz. Era um curso, portanto, muito centrado no Estado, ou seja, para aqueles que fazem as relações internacionais: diplomatas e membros das forças armadas. Trata-se de uma visão tradicional, muito conservadora, hoje considerada superada”. A segunda fase se caracterizou pelo caráter multidisciplinar: “O estudo de RI a partir de uma visão multidisciplinar, que incluia RelInter, direito, sociologia, ciência política, administração etc. O curso de RI seria, então, a junção da dimensão internacional de todas essas áreas do conhecimento. Também superada”. A terceira fase, por sua vez, prioriza o específico: “Atualmente, prevalece nos cursos de RI a visão de uma área específica do conhecimento, em que se estuda o funcionamento do sistema internacional em suas diversas vertentes, com métodos e objetivos próprios. Apesar de não deixar de ter uma dimensão multidisciplinar, o curso supõe uma identidade própria”.

Também ressaltou que o boom sofrido pela abertura de cursos de Relações Internacionais, na década de 90, não foi exclusivo no Brasil. Países da Europa e, de certa forma, do mundo todo também sofreram esse processo, principalmente por conta do final da Guerra Fria e da consolidação do processo de globalização. Já aqui, o precursor desse movimento foi o interesse pelo papel que o País poderia ter nesta realidade, ganhando força com o Mercosul, a abertura econômica e a Área de Livre Comércio das Américas - ALCA.

No tocante à carreira profissional, a professora Flávia afirmou ser possível combinar a carreira acadêmica com o exercício de funções no governo ou em organismos internacionais e advertiu os estudantes para a necessidade de uma formação longa e sólida, em especial para os cargos de relevo oferecidos pelas organizações internacionais, cujos principais postos exigem mestrado ou doutorado. Em complemento, falou da dedicação aos estudos como primordial para uma carreira bem sucedida em qualquer área que o internacionalista atue, pois lida com a realidade do mundo que está em constante mudança.

No mesmo dia, a presidente da PACTA consultoria, Carolina Valente, fez seu relato sobre a atuação do internacionalista em consultorias, ressaltando que o início profissional é um desafio para todos, mas que há diversas possibilidades a serem conquistadas com esforço e dedicação, concordando com a professora Flávia. Disse, ainda, que cada um deve procurar, durante a graduação, a área que mais lhe agrada dentro das várias possibilidades que o curso oferece. Segundo ela, paixão pela profissão é essencial para o sucesso.

Falando especificamente sobre a área de pesquisa, Carolina Valente sugeriu a existência de três tipos: pesquisa acadêmica, pesquisa institucional e pesquisa empresarial.

Usando sua trajetória como exemplo, Carolina destacou que trabalhou desde os seus doze anos. Passou por estágios, principalmente no setor público e pôde perceber que não queria se dedicar ao setor de ensino. No entanto, com seu empreendedorismo, notou que havia a possibilidade de utilizar seus conhecimentos e networking, para criar uma consultoria na área de Relações Internacionais, proporcionando o fomento de trabalhos de pesquisa. Assim, hoje, poucos anos após a sua formatura, ela já tem uma carteira de clientes que possibilita selecionar os trabalhos mais interessantes.

Carolina Valente concluiu citando uma frase do mitólogo americano Joseph Campbell: “A pequena sugestão que faço às pessoas que estão tentando seguir o seu rumo é de obedecer ao seu sentimento de felicidade. Eu obedeci e foi bom”. A palestrante aduziu: “Eu estudei RI e trabalho com RI. E adoro o que eu faço”.

O segundo dia da Semana de RI teve os depoimentos de William Waack, que discorreu sobre o trabalho de correspondente internacional, e de Fabio Rua, que falou sobre o trabalho do internacionalista numa grande empresa.

Formado em jornalismo (por obrigação), William Waack graduou-se posteriormente na Alemanha em ciências políticas e fez mestrado em relações internacionais. Exerceu por 21 anos a função de correspondente internacional na Alemanha, na Inglaterra, na Rússia e, por fim, nos Estados Unidos.

Baseou sua fala no tema “A mídia e as relações internacionais”. Sendo frontalmente contrário à exigência do diploma para o exercício da profissão de jornalista, William Waack afirmou que se algum estudante tiver interesse em ser correspondente internacional poderá ter uma vantagem muito grande sobre a maioria dos jornalistas que acabam tendo uma formação muito genérica e superficial, sendo incapazes de ter uma boa compreensão das relações internacionais.

William Waack fez questão de questionar algumas falsas verdades amplamente disseminadas no meio jornalístico, tais como a de que ser jornalista implica necessariamente em ser de esquerda (embora muita gente não saiba exatamente o que é uma coisa e o que é outra), que a globalização é maléfica para os países não desenvolvidos, que o neoliberalismo é um modelo hegemônico e outras dessa natureza.

O segundo aspecto enfatizado ao longo de sua exposição foi sobre o papel e a influência da mídia como um dos atores das relações internacionais. Citando experiências de correspondentes importantes como Ernest Hemingway e Herbert Matthews, Waack recomendou aos estudantes a leitura de um livro recém lançado no Brasil, O homem que inventou Fidel, de autoria de Anthony DePalma. Em seguida, falou de algumas de suas próprias experiências no longo período em que esteve atuando como correspondente internacional. Reconheceu que a mídia tem inluência muito forte nas relações internacionais e que é não é fácil para um jornalista de um órgão de grande penetração evitar a utilização desse veículo como instrumento de poder e de formação de opinião.

Fabio Rua, na seqüência, iniciou sua exposição confessando sua emoção por estar podendo falar para alunos do curso que o havia formado, ressaltando a excelente qualidade da preparação que a FAAP lhe propiciou. Depois de concluir sua graduação, em 2002, Fabio Rua fez um curso de Diplomacia Econômica na Unicamp e está concluindo o mestrado em Gestão de Negócios Internacionais na FGV-RJ.

Em seguida, relatou sua experiência de seis anos na Câmara Americana, onde começou ainda como estagiário, chegando a gerente de relações internacionais. Na Câmara, Fabio Rua teve oportunidade de amadurecer bastante, tendo a responsabilidade de estruturar o departamento de relações internacionais, para o que montou uma equipe constituída integralmente por internacionalistas – já formados ou ainda estudantes.

Em 2005, foi sondado por um head hunter para assumir um cargo em nível gerencial de uma grande empresa que estava estruturando seu departamento de relações internacionais. Apesar de estar satisfeito na Amcham e faltasse ainda a etapa final do projeto que vinha liderando, Fabio Rua não teve como recusar o desafio que se lhe apresentava ao saber que a sondagem era da maior empresa privada brasileira, a Companhia Vale do Rio Doce.

Aceito o convite, mudou-se para o Rio de Janeiro, dando início a uma nova etapa de sua carreira, onde tem acompanhado a consolidação do processo de internacionalização de uma empresa que tem sido motivo de orgulho para todos os brasileiros. Tendo a oportunidade de conviver com executivos de grande vivência, como o diretor Renato Amorim e o presidente Roger Agnelli (aliás, também formado em Economia pela FAAP), Fabio Rua tem contribuído para a realização do amplo leque de tarefas que competem ao seu departamento, que vão da análise dos principais temas político-econômicos dos países em que a empresa atua, passando pela interlocução com alguns dos diversos atores institucionais relevantes, até ao desenvolvimento de metodologias e ferramentas para a gestão corporativa global de temas críticos da CVRD, que já está em mais de 20 países. Nesse sentido, a principal função do departamento tem sido a de definição de ações preventivas capazes de evitar a concretização de qualquer das possíveis ameaças anteriormente identificadas. Considerando o diferente nível de desenvolvimento dos países em que a Vale opera, é possível ter uma noção da amplitude do trabalho cotidiano de Fabio Rua e a extensão do desafio que o aguarda pela frente.

Na quarta-feira, o foco da Semana de RI recaiu sobre terceiro setor e agência governamental, contando com a diretora executiva do Centro Brasileiro de Relações Internacionais - CEBRI, Denise Gregory, e com a ex-aluna Mariana Figo Gaspar.

Denise Gregory começou falando sobre o CEBRI, sediado no Rio de Janeiro, definindo-o como umthink tank que busca um diálogo entre governo e sociedade. Prosseguindo, Denise disse que percorreu um longo caminho para alcançar sua atual posição como internacionalista, marcado pelo fato de ter sido uma das dez graduadas da primeira turma de Relações Internacionais no Brasil, na Universidade de Brasília, na década de 70. Passou por estágios e trabalhou em diferentes organismos governamentais, em especial os ligados ao comércio exterior e às negociações que envolveram o Brasil, nos quais a visão generalista é importante para a compreensão dos processos de maneira global.

De uma forma geral, houve um aumento na demanda pelos internacionalistas em virtude da abertura e integração regional brasileira, principalmente o Mercosul e a ALCA. Estes processos movimentaram o interesse e a preocupação da iniciativa privada pela área internacional, a tal ponto que foi criada a Coalizão Empresarial Brasileira. Dentro dessa perspectiva é que o papel do internacionalista, que tem uma formação generalista, o que ela destacou como positivo, é que tem proporcionado o diferencial em relação aos outros profissionais. Essa deve ser uma preocupação dos cursos que preparam esses futuros profissionais, primando pela sua qualidade, principalmente por meio do corpo docente que deve combinar, necessariamente, qualificação com experiência prática.

No mesmo dia, Mariana Figo Gaspar, formada pela FAAP, contou sua experiência em assessoria internacional. Apesar de recém-formada, seu estágio na Assessoria Especial para Assuntos Especiais do Governo do Estado de São Paulo até junho de 2006 lhe proporcionou significativa experiência. Depois, atuou como assistente do embaixador Adalnio Sena Ganem. Atualmente, trabalha como assessora na Secretaria Municipal de Relações Internacionais. Baseada nisso, Mariana destacou o constante contato com a diplomacia, que não se limita ao Itamaraty, já que os atores subnacionais têm se tornado mais importantes nos últimos anos, em especial na chamada Diplomacia Empresarial.

Segundo a ex-aluna, trabalhar em assessoria internacional abre a possibilidade de “vender” positivamente o Brasil no exterior, superando a imagem de “país do carnaval”. O assessor internacional tem, também, a função de facilitador do governo junto à iniciativa privada, pois por estar fora da esfera federal, tem maior liberdade de ação para a atração comercial. Para tanto, destacou a importância do conhecimento e ação frente a hierarquias e protocolos e entender que até nas recepções se trabalha, o que exige grande atenção à rede de contatos. Mariana Gaspar realçou a importância dos contatos que os alunos criam desde a graduação, já que sempre há a possibilidade destes virem a se tornar fundamentais mais para a frente.

A quinta-feira foi dedicada a duas áreas: serviços e agências governamentais. Para apresentar suas experiências na primeira área, os organizadores da Semana de RI convidaram Lucia Antunes, gerente nacional de Customer Service da Maersk, e Jaqueline Medina, treinee na mesma empresa, que é líder no segmento de logística e transporte marítimo de carga em contêiner. Lúcia começou revelando que também tinha dúvidas sobre cursar Relações Internacionais, pois o mesmo tem uma formação muito abrangente e de difícil explicação, principalmente para os pais que sempre questionam sobre as possibilidades de trabalho que esta área de estudo proporciona. Foi ainda na graduação que tomou contato com comércio exterior e se apaixonou, mesmo sendo uma área de difícil atuação para mulheres, pois até hoje é um ambiente predominantemente masculino. Mesmo assim ela diz gostar muito, pois a área de navegação, na qual a Maersk é uma das maiores do mundo, é muito dinâmica e, por isso, não tem monotonia. Por essa razão, e outras mais, para ela, o internacionalista se dá muito bem, pois é necessário ter visão ampla e flexível e capacidade de questionamento e de negociação, características que um especialista de comércio exterior não tem. Com isso, ela passou a palavra à Jaqueline.

trainee da Maersk também destacou suas dificuldades na escolha do curso de graduação em uma área nova no Brasil, acentuadas na busca por um estágio. A partir deste ponto, passou a descrever suas experiências como trainee na companhia marítima, cujo programa dura dois anos, inclusive com passagens por Copenhagen, para possibilitar entendimento da empresa toda, que tem atuação global. Ela disse que a parte de relacionamento interpessoal é muito importante, já que tem que lidar com pessoas de diferentes culturas, e que têm pontos de vistas diferentes. Ressaltou que nas dinâmicas de seleção, as posturas e procedimentos dos internacionalistas sempre chamam a atenção pela sua formação generalista. Também lembrou da importância de uma rede de contatos, pois pode ajudar na contratação. Por fim, recomendou postura e atitude pró-ativas como um diferencial na carreira, e sempre procurar fazer as perguntas corretas.

Já para abordar o trabalho do internacionalista numa agência governamental, a convidada foi Cammilla Horta Gomes, que relatou sua experiência de trabalhar no setor público do governo brasileiro não relacionado à diplomacia. Ela fez questão de ressaltar essa diferença, pois para ela, não é necessário ser diplomata de carreira para representar o Brasil. Cammilla mostrou esse ponto de vista porque a Gerência Geral de Relações Internacionais da Associação Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA é uma pioneira nesse campo, no qual, ela, como uma especialista em regulação e vigilância sanitária ajuda nas negociações internacionais, pois o internacionalista tem a capacidade de relacionar todas as posições em diferentes negociações. Além disso, para ela, esse profissional tem a capacidade de visualização do futuro, ou seja, de conseguir analisar os impactos das negociações atuais, tendo uma visão estratégica. Tal ponto que outros órgãos públicos também estão começando a contratar internacionalistas, mesmo não tendo setores específicos nesta área.

Ela repassou os pontos que achou muito importantes para a sua carreira, mas fez questão de destacar que não queria passar uma receita. Assim, mencionou a relevância de ter feito uma iniciação científica, na qual aprendeu a aplicar metodologia e ter orientação. Outro fator muito importante para ela foi ter participado da organização de modelos de simulação da ONU, pois isso possibilitou conhecimentos extracurriculares, como negociação em situações adversas, tanto na parte acadêmica, quanto na de organização. Além disso, estes modelos constituem-se em excelente oportunidade para fazer networking, que destacou não ser “QI”, mas sim conhecer pessoas que podem ajudar nos contatos e problemas do dia-a-dia. Para finalizar, disse que a elaboração da monografia tem que ser levada a sério, pois já é um caminho para o futuro profissional de cada um. E, destacando um ponto em comum que praticamente todos os palestrantes disseram, é necessária uma especialização, pois manter-se atualizado, e investir em diferenciais é obrigatório no mundo de hoje.

O último dia de apresentações foi dedicado à carreira diplomática e aos organismos internacionais. O secretário Filipe Nasser iniciou sua apresentação falando sobre algumas mudanças que estão ocorrendo no Itamaraty, com o objetivo de tornar mais democrático o acesso à Casa de Rio Branco. Para aqueles que pensam em prestar o concurso, Nasser ressaltou a necessidade de entender o ofício diplomático, que implica em ser um defensor e promotor do seu País no exterior e internamente, pois a diplomacia necessita de um diálogo com a sociedade. Com isso, o diplomata agrega uma multiplicidade de funções e, quando servindo no exterior, ele incorpora a figura do Estado, promovendo, sempre, os interesses nacionais (inclusive protegendo brasileiros no exterior via atividades consulares), ao mesmo tempo trabalhando por uma ordem internacional mais justa.

O secretário chamou a atenção para duas facetas que têm ganhado importância. A primeira é referente às funções dos diplomatas nos organismos internacionais, tendo em vista que a agenda internacional tem se tornado cada vez mais densa e abrangente. A segunda, quanto à administração do Itamaraty, pois gerenciar a instituição que procura evoluir diante das crescentes demandas dos compromissos internacionais do Brasil tornou-se fundamentalmente importante.

Por isso, o jovem diplomata destacou a importância da vocação para a carreira. Ele ressaltou que, antes de tudo, tem que ser uma questão pessoal muito bem resolvida, pois ser um diplomata significa estar disposto a dar parte de sua vida à uma instituição pública e, no limite, ao País. Assim, a formação de um internacionalista é um excelente fundamento, pois, de acordo com uma frase do chanceler Celso Amorim “as decisões intuitivas são as melhores, mas tem que ter como base o conhecimento teórico”. Finalizando, salientou que, recentemente, houve um aumento de quatrocentas vagas na carreira, o que aumentou as chances de acesso, mas que o concurso manteve a alto grau de qualidade e dificuldade sempre exigidos dos futuros diplomatas. Este aumento é um reflexo da necessidade de reforçar o serviço exterior brasileiro, dada a maior participação do Brasil nas relações internacionais.

O último palestrante da Semana de RI, Hugo Rosa, assistente de projetos do Programa Internacional para a Erradicação do Trabalho Infantil da Organização Internacional do Trabalho, que também fica localizada em Brasília, esclareceu que concentraria sua apresentação nas organizações internacionais que têm escritórios no Brasil, ou seja, dezesseis agências, começando pelo maior, o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), até o Escritório das Nações Unidas para Drogas e Crime (UNODC).

O internacionalista destacou que há diversas possibilidades e formas de se trabalhar junto a um desses organismos. Por isso, elencou os diferentes meios de contratação que existem, começando pelo tradicional estágio, que, em geral, tem sua divulgação feita por anúncios de e-mail e em jornais locais. A seleção é feita por análises de currículos e entrevistas, sendo que os contratos duram de 6 a 12 meses e não há remuneração. Os outros, são o Special Service Agreement, que é um contrato de trabalho sem benefícios trabalhistas e por tempo limitado, normalmente em casos urgentes ou quando não há postos disponíveis, e são temporários (no máximo por 9 meses); o General Service, que é um contrato para profissionais nacionais, em geral para serviços administrativos, sendo que não exigem formação universitária para alguns postos, mas normalmente preenchidos por muitos recém formados, e, na maioria das vezes, a seleção é por meio de anúncio de vaga ou contratação de estagiários; o National Officer, que são profissionais nacionais com formação acadêmica mais alta e experiência de trabalho, com foco operacional em diversas áreas - gestão de projetos; comunicação, relações externas, assistência legal etc -; e, por último, Professional e Director , que não podem servir em seu país natal e são cargos de alto nível e de direção com status de Diplomatas, ou seja, têm imunidades e privilégios previstos por lei.

Com isso, Rosa destacou a ampla gama de possibilidades de atuação nas organizações internacionais aqui no Brasil. Também citou o caso de um projeto para a retirada de crianças de uma área de lixão, no nordeste brasileiro, quando pôde ver que o trabalho realizado por ele fazia diferença, motivando-o ainda mais a continuar nessa área, já que está ajudando a mudar, ao menos um pouco para melhor, a realidade brasileira.

Para encerrar a sessão e a Sétima Semana de Relações Internacionais, o embaixador Rubens Ricupero fez um arrazoado de todos os temas abordados ao longo dos cinco dias, destacando a ampla gama de possibilidades de atuação que um internacionalista tem e incentivando os alunos a procurarem juntar a satisfação pessoal e profissional em qualquer uma delas. Conseguindo isso, com certeza, poderão encontrar sua realização em ambas as dimensões. 

Prof. Luiz Alberto Machado, vice-diretor do Curso de RelInter, abrindo a VII Semana de Relações Internacionais.
Professora Flavia de Campos Mello
Carolina Valente, da PACTA Consultoria
Jornalista William Waack
Exposição do internacionalista Fabio Rua, tendo ao lado o coordenador do Curso de Economia da FAAP, professor José Maria Rodriguez Ramos
Denise Gregory, diretora executiva do CEBRI
Professor Georges Landau, com a experiência acumulada em mais de 25 anos em organismos internacionais de desenvolvimento, comenta as exposições do terceiro dia da Semana de RI
Mariana Figo Gaspar, assessora da Secretaria Municipal de  Relações Internacionais
Professor Gunther Rudzit, coordenador do Curso de RI da FAAP, abrindo o quarto dia da Semana de RI
Lucia Antunes, gerente nacional de Customer Service da Maersk
Jaqueline Medina, trainee da Maersk
Cammilla Horta Gomes, da ANVISA
O jovem diplomata Filipe Nasser
Internacionalista Hugo Rosa, assistente de projetos do Programa Internacional para a Erradicação do Trabalho Infantil da Organização Internacional do Trabalho
Embaixador Rubens Ricupero, fazendo e encerramento da Semana de RI
Integrantes da Comissão Organizadora da VII Semana de Relações Internacionais: João Guilherme Veiga Grecco, Guilherme Augusto Sanches Ribeiro, Ana Abidor, Igor Willenshofer, Fabio Enzo Shida Fukuda e Caio Vieira Cordeiro

Utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos sites, poderemos também personalizar a oferta de cursos e serviços e recomendar conteúdos de seu interesse. Conheça nossa Política de Cookies.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições e com nossa Política de Privacidade

Fechar X

Política de Cookies

A Política de Cookies regulamenta o acesso de Usuários para sua navegação no Portal FAAP –www.faap.br– e todos os respectivos hosts e em toda e qualquer mídia disponibilizada pela FAAP, doravante coletivamente designados PORTAL FAAP, tanto para leitura gratuita quanto para a pratica de atos dentro do portal. Em razão da utilização do Portal FAAP, a FAAP poderá coletar informações automaticamente.

O que são cookies?

Cookies são pequenos arquivos instalados nos computadores, telefones, smartphone, tablets ou qualquer dispositivo com acesso à internet, quando um navegador de internet é usado, com a finalidade de armazenar as preferências de navegação do Usuário. Esses arquivos permitem identificar o seu dispositivo numa próxima visita ao Portal FAAP e se o Usuário tem ou não Cadastro.

Quais cookies são utilizados pela FAAP e qual sua finalidade?

Os cookies permitem uma navegação mais rápida e eficiente e eliminando a necessidade de introduzir repetidamente as mesmas informações.

Comportamento da audiência: auxiliam a dimensionar as visitas ao site da FAAP; acompanham, armazenam e medem informações de comportamento de navegação a fim de oferecer um serviço mais personalizado, com recomendação de conteúdo, beneficiando a experiência do usuário no site e para aprimoramento do produto e/ou serviço.

Segurança: Protegem e permitem que você navegue em nosso ambiente em sua total funcionalidade com autenticação para evitar fraudes.

Os cookies utilizados podem ser:

Cookies permanentes- Ficam armazenados ao nível do navegador de internet (browser) nos seus dispositivos de acesso (pc, mobile e tablet) e são utilizados sempre que o usuário faz uma nova visita ao site. Geralmente são utilizados para direcionar a navegação de acordo com os interesses do usuário, permitindo-nos prestar um serviço mais personalizado.

Cookies de sessão - São temporários, permanecem nos cookies do seu navegador de internet (browser) até sair do site. A informação obtida permite identificar problemas e fornecer uma melhor experiência de navegação.
Depois de autorizar o uso de cookies, o usuário pode sempre desativar parte ou a totalidade dos nossos cookies.

Todos os browsers permitem ao utilizador aceitar, recusar ou apagar cookies, nomeadamente através da seleção das definições apropriadas no respetivo navegador. Pode configurar os cookies no menu "opções" ou "preferências" do seu browser.

Note-se que, ao desativar cookies, pode impedir que alguns serviços da web funcionem corretamente, afetando, parcial ou totalmente, a navegação no website.

Recordamos que ao desativar os cookies, partes do nosso site podem não funcionar corretamente.

Quais informações são coletadas?

  • - Tipo de navegador e suas configurações;
  • - Informações sobre outros identificadores atribuídos ao dispositivo;
  • - Preferências de navegação;
  • - O endereço IP a partir do qual o dispositivo acessa o site ou aplicativo móvel; - Informações sobre a localização geográfica do dispositivo quando ele acessa um site ou aplicativo móvel.
  • - Credenciais, conjunto de dados que o Usuário usa para se autenticar visando acessar determinadas áreas restritas e/ou funcionalidades exclusivas - Hábitos de navegação para mapear quais áreas são visitadas
  • - Interações de tempo, estimar qual foi o período de permanência no site

Posso ser identificado por meio dos cookies?

Se você está acessando o Portal como um Usuário Anônimo, sem se cadastrar ou sem se logar como Usuário do Portal, a FAAP só terá acesso às informações de seu perfil de navegação, mas não conseguirá identificá-lo como indivíduo.

No entanto, caso você navegue de forma anônima pelo Portal, mas depois venha a se cadastrar ou se logar, é possível que os cookies que foram captados na qualidade de Usuário Anônimo sejam vinculados a você, em razão do cruzamento de informações. Assim, os cookies em conjunto com seus dados fornecidos no cadastro poderão configurar dados pessoais que lhe identifiquem.

Preciso autorizar o uso de cookies?

IMPORTANTE: SE VOCÊ DESABILITAR O RECEBIMENTO DE COOKIES VOCÊ FICARÁ IMPEDIDO DE CELEBRAR CONTRATOS, ENVIAR FORMULARIOS, EFETUAR REQUERIMENTOS ENTRE OUTROS.

Por quanto tempo os cookies serão armazenados?

O período de armazenamento dos cookies que coletam informações de Usuários Anônimos pode variar. No entanto, o Usuário poderá apagar os cookies por meio da configuração de seu navegador. É importante ter em mente que os cookies serão recriados quando for retomada a navegação. Se você não concorda com a captura de cookies, pode sempre configurar seu navegador para que a coleta de cookies seja bloqueada, lembrando que, ao fazer isso, poderá fazer com que sua experiência de uso do Portal fique parcialmente prejudicada.

Posso impedir que sejam coletadas tais informações por meio dos cookies? Caso tenha interesse, é sempre possível desabilitar a coleta de informações mediante cookies por meio da configuração de seu próprio navegador. Abaixo estão algumas orientações gerais para que você possa especificar como os cookies são gerenciados após configurar seu navegador de preferência*

Navegadores em computadores

Chrome

Clique no menu do Chrome na barra de ferramentas do navegador.
Selecione Configurações.
Clique em Mostrar configurações avançadas.
Na seção Privacidade, clique em Configurações de conteúdo.
Na seção Cookies, selecione uma das seguintes configurações de cookies:
-Excluir cookies
-Bloquear cookies por padrão
-Permitir cookies por padrão
-Manter cookies e dados do site por padrão até você sair do navegador
-Abrir exceções para cookies de sites ou domínios específicos

Firefox

Abra o Firefox, abra o menu Editar e selecione Preferências.
Em Privacidade e segurança, selecione Cookies.
Você pode selecionar as seguintes configurações:
-Desativar cookies
-Ativar cookies apenas para o site de origem
-Ativar todos os cookies
-Perguntar antes de armazenar um cookie

Internet Explorer 9 ou 10

Toque ou clique em Ferramentas e, em seguida, selecione Opções da Internet.
Toque ou clique na guia Privacidade.
Em Configurações, mova o controle deslizante para a parte superior para bloquear todos os cookies ou para a parte inferior para permitir todos os cookies. Toque ou clique em OK.

Safari 5.1 (OS X Lion)

Selecione Safari e, em seguida, selecione Preferências.
Clique em Privacidade.
Na seção Bloquear cookies, especifique se e quando o Safari deve aceitar cookies de sites.
Para ver uma explicação das opções, clique no botão Ajuda (ponto de interrogação). Observação: se você quiser ver quais sites armazenam cookies em seu computador, clique em Detalhes.
Se configurar o Safari para bloquear cookies, talvez você tenha que aceitar temporariamente cookies para abrir uma página. Repita as etapas acima, selecionando Nunca. Quando sair, bloqueie os cookies novamente e remova os cookies da página.

iOS

Toque em Safari.
Toque em Bloquear cookies.
Selecione Nunca, De terceiros e anunciantes ou Sempre.

Dispositivos Móveis

Android

Toque no menu do Chrome, depois em Configurações.
Toque em Configurações de conteúdo (avançadas). Desmarque Aceitar cookies.

Kindle Fire HDX

Deslize para baixo a partir da parte superior da tela do Kindle e selecione Configurações.
Selecione Aplicativos.
Selecione Silk Browser.
Selecione Limpar dados do navegador.
Desmarque quais dados você deseja limpar (Limpar todos os dados decookies) e selecione OK.
*Note que as orientações gerais são meramente informativas para auxiliar o Usuário. A FAAP não se responsabiliza pela atualidade e precisão das informações. Orientações específicas e atuais poderão sempre ser localizadas dentro da seção de dúvidas/manual de instruções de cada navegador.

Fechar X

POLÍTICA DE PRIVACIDADE - FAAP

A FAAP - FUNDAÇÃO ARMANDO ALVARES PENTEADO, fundação de direito privado, com sede na Rua Ceará, 02, Higienópolis, Município de São Paulo, Estado de São Paulo, CEP 01243-010, inscrita no CNPJ/MF sob o n.º 61.451.431/0001-69 e toda sua equipe, se preocupa com a segurança e proteção de dados pessoais e preza pela privacidade de seus integrantes, sejam equipes ou candidatos, de forma que através desta Política de Privacidade, pretendemos ser transparentes e demonstrar nossa preocupação para com o tratamento de dados pessoais.

Esta Política de Privacidade tem por objetivo informar e apresentar esclarecimentos sobre o tratamento aplicado aos dados pessoais de todo e qualquer titular que se relacione com esta instituição, considerando a Lei Federal 13.709/2018 – Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD).

Para fins de aplicação desta Política, são considerados titulares de dados toda e qualquer pessoa física, sendo que na relação com a FAAP, podemos mencionar o colaborador, estagiário, estudante, candidato, responsável legal, fornecedor, parceiro, prestador de serviço, usuário de nossos sites e qualquer outra pessoa física que interaja de alguma forma conosco.

SOBRE OS AGENTES DE PROTEÇÃO DE DADOS PESSOAIS

A FAAP é Controladora de dados pessoais na relação existente com seus alunos, colaboradores, visitantes e terceirizados. Os prestadores de serviços e parceiros da FAAP, dependendo da relação, objetivos e autonomia sobre o tratamento de dados pessoais, poderão se enquadrar como operadores ou controladores em conjunto ou singulares, sejam eles pessoa física ou jurídica.

SOBRE A COLETA DE DADOS

Os dados e o modo de coleta podem variar conforme o produto/serviço utilizado, bem como pela maneira de uso e interação do consumidor junto à FAAP, sendo ele aluno ou não. Estas informações ainda podem ser obtidas por meio de um terceiro ou parceiro comercial que tenham permissão para partilhá-las conosco.

Os dados pessoais serão coletados nas seguintes hipóteses:

  • - Compra ou uso dos nossos cursos, produtos ou serviços;
  • - Registro e/ou interesse em um curso, produto ou serviço específico;
  • - Preferências de navegação;
  • - Subscrição em newsletters e/ou mailing list;
  • - Realização de contato por meio de algum dos canais de atendimento;
  • - Participação em processo seletivo e para contratações;
  • Quando as informações pessoais estiverem disponíveis publicamente.

As informações que podem ser coletadas, quando necessário, serão as seguintes:

INFORMAÇÕES DE USUÁRIOS DOS SITES, CANDIDATOS, COLABORADORES E ALUNOS
DADOS PESSOAIS COLETADOS
FINALIDADE

Nome completo, endereço, gênero, data de nascimento, RG, CPF, número de telefone, e-mail, profissão e ainda nome da mãe e do pai quando necessários, certidão de nascimento, título de eleitor, certificado de conclusão e histórico escolar e quitação de serviço militar.

Identificar e autenticar, cumprir com obrigações, possibilitar acesso aos recursos e funcionalidades do sistema, ampliar nosso relacionamento, informar sobre andamento das fases de seleção, informar sobre desempenho acadêmico, bem como resultados de processos seletivos, prevenção de fraudes, informações futuras sobre novos cursos e oportunidades, informações administrativas.
No caso do teatro, são coletados dados de identificação, de contato e de pagamento, para fins de efetivação do pagamento e para fins de contato com o consumidor, caso haja cancelamento, alteração de horário, bem como qualquer informação administrativa.

sexo

Para fins de atendimento de políticas de diversidade, em alguns casos para cumprimento de obrigação legal, bem como para métricas de inscrições ou contratações de colaboradores.

Dados bancários ou de cartão de crédito ou débito

Necessário para processamento de pagamentos, armazenados parcialmente após a transação.
Dados bancários de colaboradores são tratados para fins de deposito de salário.

Foto.

Identificação, autenticação, prevenção à fraude, acervo histórico da feira, divulgação dos participantes.

Voz, quando há contato por meio de algum dos canais de Serviço de Atendimento ao Consumidor (gravação do atendimento);

Poderá acontecer gravação do atendimento para fins de exercício regular de direitos.

Preferências por produtos, serviços e atividades específicas, sendo essas informações fornecidas pelo próprio consumidor, ou deduzível a partir da forma como ele usa os produtos e serviços;

Melhorar a sua experiência em nossos sites e personalização de ofertas e recomendações personalizadas

Histórico navegação para eventual uso de ofertas e recomendações personalizadas

Melhorar a sua experiência em nossos sites e personalização de ofertas e recomendações personalizadas

Informações sobre quais páginas foram acessadas pelo Usuário, qual é seu navegador, seu sistema operacional, seu IP, entre outros Algumas páginas do Portal também podem armazenar cookies, que consistem em pequenos arquivos instalados por sites nos computadores quando o navegador de internet é usado. Esses arquivos permitem identificar se um mesmo aparelho já fez uma visita anterior ao Portal, e se o Usuário tem ou não Cadastro.

Aperfeiçoar e customizar o atendimento aos usuários.

(para maiores esclarecimentos sobre os dados recolhidos através de cookies, web beacons e outras tecnologias, consulte nossa Política de Cookies)

INFORMAÇÕES DE USUÁRIOS DOS SITES, CANDIDATOS, COLABORADORES E ALUNOS
DADOS PESSOAIS COLETADOS
FINALIDADE

Dados relacionados à saúde de seus colaboradores e alunos, como atestados médicos, receitas e medicações

Prestar socorro imediato quando necessário, atendimento em ambulatório, abono de faltas

Dados relacionados à deficiência física e dados relacionados à crianças especiais, incluindo informações médicas e psicológicas

Para fins execução dos serviços contratados, atendimento à Lei de inclusão

Quaisquer Dados fornecidos pelos Usuários serão armazenados pelo tempo necessário para o atendimento de suas finalidades e a FAAP envidará os melhores esforços na manutenção da confidencialidade integridade e disponibilidade das informações que forem fornecidas.

TODOS OS DADOS PESSOAIS COLETADOS DOS USUÁRIOS SERÃO INCORPORADOS A BASE DE DADOS DA FAAP ATENDENDO AOS PRINCÍPIOS E BASES LEGAIS PREVISTAS NA LEGISLAÇÃO.

PARA FACILITAR O SEU ENTENDIMENTO, A FAAP PODERÁ UTILIZAR AS INFORMAÇÕES COLETADAS DOS USUÁRIOS, INCLUSIVE POR MEIO DE COOKIES, PARA OS SEGUINTES PROPÓSITOS GERAIS:

  • INFORMAR A RESPEITO DE SUAS ATIVIDADES, INCLUINDO EVENTOS, PEÇAS TEATRAIS E OFERTA DE CURSOS, POR CORREIO ELETRÔNICO MALA DIRETA, SMS OU OUTROS MEIOS DE COMUNICAÇÃO;
  • MANTER ATUALIZADOS OS CADASTROS DOS USUÁRIOS PARA FINS DE CONTATO POR TELEFONE, CORREIO ELETRÔNICO MALA DIRETA, SMS OU OUTROS MEIOS DE COMUNICAÇÃO;
  • ELABORAR ESTATÍSTICAS GERAIS, SEM QUE HAJA IDENTIFICAÇÃO DO USUÁRIO;
  • RESPONDER ÀS DÚVIDAS E SOLICITAÇÕES DO USUÁRIO;
  • REALIZAR CAMPANHAS DE COMUNICAÇÃO E MARKETING DE RELACIONAMENTO;
  • COMUNICAR-SE COM O USUÁRIO, A FIM DE LHES DAR INFORMAÇÕES ADMNISTRATIVAS;
  • CUMPRIMENTO DE OBRIGAÇÕES LEGAIS, INCLUINDO REGULAMENTOS SETORIAIS E REGRAS FISCAIS; E
  • EXERCÍCIO REGULAR DE DIREITO EM PROCESSO JUDICIAL, ADMINISTRATIVO OU ARBITRAL

Sempre que as finalidades de tratamento depender de autorização expressa do Usuário, esta será solicitada no momento do cadastro físico ou digital, na contratação dos serviços educacionais, contrato de trabalho ou por ações específicas conforme necessidade.

DADOS PESSOAIS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES

Considerando a prestação de serviços educacionais também à nível do ensino fundamental e médio, ao concordar com os termos desta Política de Privacidade, o responsável legal, afirma ter ciência de que serão coletados dados pessoais necessários para a execução dos serviços, assim como para cumprimento de obrigações legais e exercício regular de direitos, inclusive para armazenamento após o termino do contrato, sendo que a não concordância com os respectivos tratamentos, acarreta na impossibilidade de prestação dos serviços educacionais.

O responsável legal, toma ciência de que no caso de revogação do consentimento ou oposição a qualquer tratamento, após serem coletados os dados, estes permanecerão armazenados, quando necessário para atendimento de obrigações legais e exercício regular de direitos.

Nas demais hipóteses de tratamento será coletado o consentimento no contrato de matrícula ou em outro momento oportuno.

COMPARTILHAMENTO DE DADOS PESSOAIS

O banco de dados formados pelo cadastro, matrícula ou qualquer outro meio junto à FAAP é de propriedade desta e será compartilhado apenas para as finalidades específicas de execução do contrato (o que pode incluir compartilhamento com parceiros, prestadores de serviços/operadores e suboperadores.

No caso do setor de carreiras, os dados dos alunos que se candidatam às vagas, poderão ser compartilhados com as empresas parceiras e solicitantes do encaminhamento de currículos, para seleção e contratação

Além disso, a FAAP poderá compartilhar dados pessoais de sua base com parceiros, sempre que for em benefício aos titulares de dados pessoais, desde que devidamente autorizados, quando o tratamento não tiver justificativa nas demais hipóteses legais excludentes do consentimento.

No caso de parceria com Universidades de outros países poderá ocorrer a transferência internacional dos dados pessoais, ficando ciente o aluno, deste tratamento quando tiver como base a execução dos serviços a serem prestados ou será coletado o consentimento para ações independentes.

Em todo compartilhamento, a FAAP prezará pelo comprometimento dos operadores e parceiros envolvidos no tratamento dos dados pessoais, utilizando-se de cláusulas contratuais e protocolos de segurança que garantam a proteção e privacidade dos dados que lhes foram compartilhados exigindo o mesmo nível de proteção destes agentes.

Todo compartilhamento será pautado no princípio da necessidade atentando-se ao mínimo necessário para atingir às finalidades esperadas.

Exemplo de compartilhamentos:

  • Outras universidades para fins de parcerias em eventos;
  • Com empresas parceiras para concessão de benefícios;
  • Com autoridades judiciais, mediante determinação legal.

Poderão ser compartilhados com quaisquer parceiros, dados estatísticos como índice de alunos ou colaboradores por gênero, região de moradia, idade, entre outros, desde que anonimizados e os dados cujo compartilhamento foi expressamente autorizado pelo titular e/ou responsável.

A não ser por obrigação legal, incluindo determinação judicial, ou autorização expressa, os Dados do usuário jamais serão transferidos a terceiros que não sejam parceiros ou empresas autorizadas pela FAAP ou usadas para finalidades diferentes daquelas para as quais foram coletadas e informadas ao titular.

ARMAZENAMENTO DOS DADOS PESSOAIS:

Os dados coletados são armazenados em servidores externos, localizados no exterior e alguns dados permanecem em servidor próprio.

Os dados são armazenados em ambiente seguros e controlados, incluindo dados de acesso e registros de logs, sempre em atendimento aos prazos legais.

DA ATUALIZAÇÃO E VERACIDADE DOS DADOS FORNECIDOS

O USUÁRIO GARANTE A VERACIDADE E EXATIDÃO DOS DADOS QUE FORNECER À FAAP, OU SEJA, A FAAP NÃO TEM QUALQUER RESPONSABILIDADE NO CASO DE INSERÇÃO DE DADOS FALSOS OU INEXATIDÃO DOS DADOS PESSOAIS INFORMADOS PELO USUÁRIO À FAAP.

É de responsabilidade do próprio titular ou responsável legal (quando aplicável) a ratificação ou retificação das informações fornecidas, quando necessário.

DOS DIREITOS DO TITULAR DOS DADOS PESSOAIS

A Lei garantiu ao Usuário determinados direitos em relação às informações pessoais que estão sob a tutela da FAAP, em função das coletas e tratamentos realizados, esses direitos estão elencados no art. 18º, quais sejam:

  • confirmação da existência de tratamento;
  • acesso aos dados;
  • correção de dados incompletos, inexatos ou desatualizados;
  • anonimização, bloqueio ou eliminação de dados desnecessários, excessivos ou tratados em desconformidade com a Lei;
  • portabilidade dos dados a outro fornecedor de serviço ou produto, mediante requisição expressa, de acordo com a regulamentação da autoridade nacional, observados os segredos comercial e industrial; (ANPD ainda irá regulamentar sobre a portabilidade)
  • eliminação dos dados pessoais tratados com o consentimento do titular.
  • informação das entidades públicas e privadas com as quais o controlador realizou uso compartilhado de dados;
  • informação sobre a possibilidade de não fornecer consentimento e sobre as consequências da negativa;
  • revogação do consentimento;

Além disso, o titular poderá solicitar cópia de seus próprios dados pessoais e opor-se à recepção de mensagens de marketing. Neste caso o descadastramento destas mensagens poderá ser feito pelo e-mail faleconosco@faap.br.

Esclarecemos que ao optar por não receber mensagens de marketing não significa que deixará de receber mensagens relacionadas com os seus cursos e outras informações administrativas.

CASO VOCÊ QUEIRA ENTRAR EM CONTATO PARA OBTER MAIS INFORMAÇÕES SOBRE O TEMA, REGISTRAR UMA RECLAMAÇÃO OU FAZER QUALQUER REQUISIÇÃO RELACIONADA AO TRATAMENTO DE DADOS PESSOAIS EFETUADO PELA FAAP, ENTRE EM CONTATO PELO E-MAIL PRIVACIDADE@FAAP.BR

FAAP busca tratar e armazenar os seus dados somente durante o tempo estritamente necessário. Na hipótese de tratar-se de aluno os dados serão mantidos e compartilhados com as autoridades em obediência a prescrições legais.

Antes de solicitar exclusão de dados verifique o enquadramento: (i) necessidade de armazenamento por período exigido em lei; (ii) pelos períodos legalmente definidos para fins de investigação e ações judiciais; e (iii) pagamentos e faturas e demais obrigações de natureza fiscal.

DO NÃO FORNECIMENTO DOS DADOS:

O não fornecimento dos dados pessoais necessários para execução do contrato acarretará na impossibilidade de contratação e de execução dos serviços.

No caso do teatro FAAP, o não fornecimento dos dados pessoais na aquisição dos ingressos, mediante compra física, poderá acarretar na ausência de contato e comunicação no caso de situações emergenciais, como por exemplo, no caso de cancelamento de eventos.

Outros dados quando não indicados como obrigatórios e coletados com base no consentimento poderá impossibilitar algumas ações propostas para beneficiar os titulares.

COMO SERÃO PROTEGIDAS AS INFORMAÇÕES PESSOAIS?

A FAAP empenha-se em tomar todos os tipos de medidas administrativas, técnicas e físicas de cunho preventivo em relação à segurança e privacidade durante a execução de suas atividades envolvendo dados pessoais, desde o treinamento e conscientização dos colaboradores, até o uso de tecnologias de criptografia e firewall avançadas.

Se nossos sites possuírem ligações com sites de terceiros, é possível que durante sua navegação você seja direcionado a esses sites. Nesses casos, a responsabilidade sobre a segurança e proteção dos seus dados caberá aos referidos terceiros, de forma que recomendamos a leitura dos termos de uso, políticas de privacidade e de cookies dos respectivos sites.

Este cenário também se aplica às hipóteses em que você divulgue seus dados pessoais em plug-ins sociais e sites de busca. Nesses casos, o tratamento dos dados será realizado pelos terceiros em questão e, novamente, sugerimos a leitura dos termos de uso, política de privacidade e de cookies destes respectivos sites/terceiros.

INEXISTÊNCIA DE VÍNCULO

O presente instrumento e as obrigações e direitos aqui previstos não importam na criação de qualquer vínculo trabalhista, societário, de parceria ou associativo entre o Usuário e a FAAP, sendo excluídas quaisquer presunções de solidariedade entre ambos no cumprimento de suas obrigações.

EVENTOS DE CASO FORTUITO E FORÇA MAIOR

A FAAP não se responsabiliza por quaisquer eventos oriundos de caso fortuito ou força maior, assim entendidas as circunstâncias imprevisíveis e inevitáveis que impeçam, total ou parcialmente, a execução das obrigações assumidas.

DO ENCARREGADO PELO TRATAMENTO DE DADOS PESSOAIS DA FAAP

Atendendo aos requisitos e nos termos da LGPD, a FAAP nomeou o encarregado (DPO) pela proteção de dados pessoais, cuja é o responsável pelas orientações e atendimentos relacionados ao tema.

Para entrar em contato:

Para quaisquer dúvidas ou demandas relacionadas especificamente ao tema proteção de dados pessoais, o atual Encarregado poderá ser contatado conforme dados a seguir:
DPO: Cristina Sleiman – privacidade@faap.br
Endereço para correspondência: RUA ALAGOAS, Nº903 – HIGIENÓPOLIS – setor jurídico

DISPOSIÇÕES FINAIS

A FAAP reserva-se o direito de modificar, acrescentar ou remover conteúdos e partes desta política a qualquer momento e a seu exclusivo critério. Neste caso a FAAP informará aos titulares de dados sobre atualizações de suas Políticas, o que não isenta o titular de consultá-la com regularidade. Recomendamos que você consulte esta política quando tiver alguma dívida e sempre que navegar por nossos sites

Os direitos e obrigações decorrentes deste documento poderão ser cedidos a qualquer empresa pertencente à FAAP. Na eventualidade de qualquer das disposições deste documento vir a ser considerada nula, anulável ou inaplicável, por qualquer razão, as demais disposições deste contrato permanecerão em vigor e inalteradas, continuando a vincular as partes.

Ao navegar pelo Portal FAAP, você aceita guiar-se pelos Termos de Uso e Políticas de Privacidade e de Cookies, que se encontrarem vigentes na data de seu acesso, portanto, deve verificar os mesmos previamente cada vez que visitar o Portal FAAP.

Este instrumento será regido e interpretado de acordo com a legislação brasileira, eleito o Foro da Comarca de São Paulo, Estado de São Paulo, para questões a ele relativas, com renúncia expressa a qualquer outro.

Data da atualização desta Política: novembro/2021