FAAP
Fundação Armando Alves Penteado

Partners

Parceria entre a Residência Artística FAAP e a Fundação Bienal

Desenvolvida a partir de 2006 e renovada a cada edição da Bienal, a parceria entre a Fundação Bienal e a Residência Artística FAAP já recebeu 49 artistas do evento no Edifício Lutetia. O programa de residências desenvolvido conjuntamente pelas duas instituições reforça a vocação da cidade de São Paulo como polo de pesquisa artística e reafirma o compromisso da Fundação Bienal com o fomento e o debate da produção contemporânea. Ao longo do período em São Paulo, os artistas desenvolvem pesquisas e projetos inéditos a serem apresentados na Bienal.  Realizam também atividades como studio visits e palestras abertas ao público em geral.

Histórico de artistas da Bienal presentes na Residência Artística FAAP:

27ª Bienal de São Paulo - Como viver junto (2006): Alberto Baraya (Colômbia), Armando Andrade Tudela (Peru), Lara Almarcegui (Espanha), Francesco Jodice (Itália), Shimabuku (Japão), Marjetica Potrč (Eslovênia), Minerva Cuevas (México), Meschac Gaba (Benim), Florian Pomhösl (Áustria), Susan Turcot (Canadá).

28ª Bienal de São Paulo - Em vivo contato (2008): Alexander Pilis (Rio de Janeiro), Erick Beltrán (México), Gabriel Sierra (Colômbia), Javier Peñafiel (Espanha), Mabe Bethônico (Belo Horizonte),  Sarnath Barnejee (Índia), Simon Goldin e Jakob Senneby (Suécia).

29ª Bienal de São Paulo - Há sempre um copo de mar para um homem navegar (2010): Tamar Guimarães (Belo Horizonte), Escola Maumaus (Portugal).

30ª Bienal de São Paulo - A iminência das poéticas (2012): Cecília Grönberg e Jonas (J) Magnusson (Suécia), Eduardo Gil (Venezuela), Leandro Tartaglia (Argentina), Nicolas Paris (Colômbia), Sarah Washington, Knut Aufermann (Inglaterra e Alemanha).

31a Bienal de São Paulo – Como (...) coisas que não existem (2014): Anna Boghiguian (Egito), Bik Van der Pol (Holanda), Danica Dakić (Bósnia e Herzegovina), El Hadji Sy (Senegal), Erick Beltrán (México), Farid Rakun (Indonésia), Federico Zukerfeld e Loreto Garín Guzmán (Argentina), Ines Doujak (Áustria), John Barker (Reino Unido), Juan Pérez Agirregoikoa (Espanha), Nilbar Güreş (Turquia), Pedro G. Romero (Espanha), Sheela Gowda e Prabhakar Pachpute (Índia).

32ª Bienal - Incerteza Viva (2016): Carla Filipe (Portugal), Carolina Caycedo (Colômbia), Dineo Seshee Bopape (África do Sul), Em’kal Eyongakpa (Camarões), Iza Tarasewicz (Polônia), Nomeda e Gediminas Urbonas (Lituânia), Pia Lindman (Finlândia) e Rita Ponce de León (Peru)