Com curadoria de Delphine Pinasa, a mostra reúne aproximadamente 100 figurinos e 80 desenhos originais, criados pelo estilista francês, que já percorreram os principais teatros mundiais, vestindo atores e atrizes em produções de ballet, peças de teatro e óperas. Estão expostos, também, croquis, extratos de vídeos, entre outros.

Ballet: figurinos “can can” para Gaîeté Parisienne (1988, Nova York, American Ballet Theatre); tutus para Les Anges Ternis (1987.
Teatro: Os Caprichos de Mariana (1994, Bouffes Du Nord), Otelo (1995, Théâtre 14), Fedra (1995, Théâtre-Français),
Ópera: Cinderela (1986, Opéra-Comique), Carmen (1989, Arène de Nîmes); No Théâtre de la Monnaie em Bruxelas: Il Re Pastore (2003), Eliogabalo (2004), A Mulher sem Sombra (2005), Cosi Fan Tutte (2006).

 

Christian Lacroix

Nascido em Arles, na França, em 1951, Christian Lacroix costurou estilos e referências de diversas épocas, revirando todas as regras já estabelecidas pela evolução da moda. Criou coleções desconcertantes nas quais predominam o luxo, a fantasia e, principalmente, toda sua audácia.

Há mais de vinte anos, antes mesmo de criar a sua Maison de costura, o estilista trabalha com uma paixão constante nas coxias dos teatros e em seus ateliês de costura. Conjuga a ciência da técnica da alta costura, o savoir-faire artesanal, truques e astúcias do palco, o respeito pelas obras e a sensibilidade pessoal dos atores. Ele gosta de evocar seus primeiros passos na costura, já que desde jovem, ao voltar do teatro, reinterpretava os trajes que havia visto em cena.

Em 2008, ele realizou o sonho de ser curador de museus, quando ficou à frente de duas exposições em comemoração aos 20 anos de sua maison. A primeira foi “Christian Lacroix, Histoires de Mode”, realizada no Musée dês Arts Décoratifs, em Paris. A segunda mostra “Christian Lacroix -Trajes de Cena”, idealizado para o CNCS, acontece a partir de agosto de 2009, no Museu de Arte Brasileira da FAAP. O requinte da alta costura de Lacroix já esteve presente na FAAP em 1997, quando ele apresentou as suas coleções em um desfile e uma exposição.

 

A mostra está dividida em vitrines e salas. São elas:

Gaîté Parisienne
Ballet em um ato. Livreto Etienne de Beaumont, música Jacques Offenbach com arranjos de Manual Rosenthal, coreografia Léonide Massine, criada em Monte Carlo em 1938. Produção exibida: coreografia Lorca Massine, cenário Zack Brown, figurinos Christian Lacroix, American Ballet Theatre, New York, 1988.

Espanha (Carmem / Arsa y Toma)

Carmen
Ópera-cômica em quarto atos, música Georges Bizet, livreto Henri Meilhac e Ludovic Halévy segundo a novela de Prosper mérimée, criada na Ópera-Cômica de Paris, em 1875.
Produção exibida: direção de Antoine Bourseiller, cenário e figurino Christian Lacroix, Arènes de Nîmes, 1989.

Arsa y toma
Ballet flamenco, coreografia Cristina Hoyos, música Paco Arriaga, cenário Daniel Bianco, figurino Christian Lacroix, iluminação Paco Doniz, Ópera de Avignon e dos Países de Vaucluse, 1996.

Otelo
Peça de William Shakespeare, criada no Whitehall Palace em Londres, em 1604.
Produção exibida: adaptação e direção Anne Delbée, cenário Jean-Pierre Regnault, figurino Christian Lacroix, Paris, Théâtre 14 Jean-Marie Serreau, 1995.

Fedra
Peça de Jean Racine, criada em 1677, no Hôtel de Bourgogne, Fedra é até hoje a tragédia clássica por excelência, inspirada nos poetas gregos e romanos e nas mitologias antigas. Produção exibida: direção de Anne Delbée, cenário Jean-Pierre Regnault, figurinos de Christian Lacroix. Paris, Comédie-Française, 1995.

Eliogabalo
Dramma per música em três atos, música Francesco Cavalli, livreto anônimo completado por Aurélio Aureli. Composto em 1668, para o carnaval, por um grande mestre da ópera veneziano.
Produção exibida: direção Vincent Lemaire, figurinos Christian Lacroix, iluminação Alain Poisson. Bruxelas, Téâtre de La Monnaie, 2004.

Sherazade
Composta em 1888 por Nicolas Rimksy-Korsakov, “Sherazade” é originalmente uma suíte sinfônica inspirada nas “Mil e Uma Noites”. Em 1910, Serge Diaghilev, diretor dos Ballets Russos, extrai da partitura um ballet, coreografia de Michel Fokine, cenário e figurino de Léon Bakst, criado na Ópera de Paris em 1910.
Produção exibida: coreografia Bianca Li, cenário Thierry leproust, figurino Christian Lacroix, iluminação Jacques Chatelet, Ópera Nacional de Paris, Palais Garnier, 2001.

As Artes Florescentes (Actéon / Didon e Enéias / As Artes Florescentes / A Mulher sem Sombra)

Actéon
Pastoral em música de Marc-Antoine Charpentier. Livreto anônimo segundo “As Metamorfoses” de Ovide, livro III, obra criada cerca de 1680.

Didon e Enéias
Ópera em três atos de Henry Purcell. Livreto de Nahum Tate segundo o livro IV de “L’Enéide”. Criado em 1689 na “Boarding School for girls”, em Chelsea.
Produção exibida: direção Vincent Boussard, criação dos vestidos Christian Lacroix, direção musical William Christie. Paris, Teatro do Champs-Elysées, 2001.

As Artes Florescentes A decida de Orfeu aos Infernos
Duas óperas de Marc-Antoine Charpentier, escrita para Mademoiselle de Guise nos anos 1680.
Produção exibida: Orquestra de Arts Florissants, direção e cravo William Christie, direção Vincent Boussard, vestidos Christian Lacroix,. Paris, Cité de La Musique, 2004.

A Mulher sem Sombra
Ópera de Richard Strauss. Livreto de Hugo Von Hofmannsthal, criada na Ópera de Viena em 1919.
Produção exibida: direção Mathew Jocelyn, cenário Alain Lagarde, figurino Christian Lacroix, iluminação Roberto Venturi. Bruxelas, Théâtre de La Monnaie, 2005.

Cosi Fan Tutte (Cosi Fan Tutte / Il Re Pastore / Wilhelm Meister)
Drama jocoso em dois atos de Wolfgang Amadeus Mozart, livreto de Lorenzo Da Ponte, criado em Burgtheater em Viena, em 1790.
Produção exibida: direção Vicent Boussard, cenário Vincent Lemaire, figurinos Christian Lacroix, iluminação Alain Poisson. Bruxelas, Théâtre de La Monnaie, 2006.

Il Re Pastore
Dramma per musica em dois atos de Wolfgang Amadeus Mozart, livreto de Pietro Metastasio, criado em Salzbourg em 1775.
Produção exibida: direção e cenário Vincent Boussard, figurinos Christian Lacroix, iluminação Alain Poisson. Bruxelas, Théâtre de La Monnaie, 2003.

Os Caprichos de Mariana
Peça de Alfred de Musset, lançada na “La Revue des Deux Mondes” em 1833, criada na Comédie-Française em 1851.
Produção exibida: direção Lambert Wilson, cenário Jean-Vincent Puzos, figurinos Christian Lacroix, iluminação François Austerlitz. Paris, Théâtre dês Bouffes Du Nord, 1994.

A Valsa dos Tutus (Lês Anges Ternis / Zoopsie Comedi)

Les Anges ternis
Música Charlie Mingus, coreografia Karole Armitage, figurino Christian Lacroix. Criação mundial Opera de Paris, Palais Garnier, 1987

Zoopsie Comedi
Revista musical e coreografia das Companhis Lolita e Beau Geste, cenário Arnaud Saure, figurino Christian Lacroix, Sylvie Skinazi, Bataclan, 1986.

 

Centre National du Costume de Scène

O Centre National du Costume de Scène - CNCS (Centro Nacional do Traje de Cena), cujo Presidente é Christian Lacroix, é a primeira estrutura de conservação, tanto na França quanto no exterior, a ser inteiramente consagrado ao patrimônio material dos teatros. Ele tem como missão a conservação, o estudo e a valorização de um patrimônio, totalizando 9000 trajes de teatro, de ópera e de balé, assim como telas de cenário pintadas, acervo das três instituições fundadoras do Centre: a Biblioteca Nacional da França, a Comedie-Française e a Ópera Nacional de Paris. Saiba mais

 

Clique nas imagens abaixo para ver algumas imagens da exposição.



Data: de 24/08 a 1/11/2009
Local: Museu de Arte Brasileira da FAAP
Endereço: Rua Alagoas, 903 – Higienópolis
Informações: (11) 3662-7198
Horário: De terças a sextas, das 10h00 às 20h00
Sábados, domingos e feriados, das 13h00 às 17h00
E-mail: museu.secretaria@faap.br
ENTRADA FRANCA - Como chegar