Restauração da fachada do edifício Casa das Arcadas: uma contribuição da FAAP à revitalização do centro de São Paulo.



Situado no coração do centro velho de São Paulo, na esquina com a Rua Quintino Bocaiúva e a Rua Benjamim Constant, o edifício Casa das Arcadas, de propriedade da FAAP, ganhou vida e projeção novamente. Com intuito de valorizar e preservar o patrimônio histórico da cidade foi desenvolvido um projeto de restauro, que recuperou a tipologia arquitetônica, os elementos estilísticos e a ornamentação da fachada, escondida durante anos atrás de cartazes de publicidade, resgatando a aparência e concepção original de seus arcos. O resultado do trabalho realizado foi evidenciado por um sistema de iluminação especial que valoriza suas formas e estruturas.

O projeto teve início a partir da Lei nº 14.223, de 26/09/2006, que exigiu a retirada das propagandas instaladas nos estabelecimentos comerciais da capital paulista. Com essa determinação, foi inspecionado que na fachada deste prédio haviam sido mantidas as estruturas metálicas e displays expositivos estranhos ao desenho original, sendo necessária a realização de uma obra que trouxesse de volta as características originais do suntuoso edifício.

O edifício Casa das Arcadas foi construído na segunda metade da década de 1920 por Siciliano & Silva – Escritório Técnico de Construções. Seu nome surgiu em decorrência dos arcos que formam a ornamentação da fachada externa – nos dois primeiros pavimentos - e também em alusão aos advogados que mantinham escritórios no local, formados pela faculdade de Direito do Largo São Francisco, cujo apelido é ‘Arcadas’.

Hoje, o local continua a ser ocupado pela famosa loja de calçados Fidalga, inaugurada em 1928, assim como por prestadores de serviços e estabelecimentos comerciais de diversas áreas, como advogados, médicos, óticas, livreiros, ourives, escritórios imobiliários.

Antes e depois

Constituída basicamente de argamassa, elementos decorativos, granitos vermelhos, esquadrias, guarda-copos e portas em ferro e vidro, a fachada da Casa das Arcadas sofreu tanto com a deterioração do tempo como com as intervenções realizadas pelo comércio local.

No projeto de restauro, de autoria do escritório de Engenharia Cláudio Helú, foram avaliadas e removidas todas as descaracterizações do edifício, como revestimentos de azulejos, lambris de alumínio, displays expositivos de mercadorias feitos em ferro e vidro, bandeiras de chapa metálica / alvenaria e vigas de concreto executadas para suporte de anúncio. Também foi executada a argamassa de revestimento com o mesmo tipo de material utilizado na época em que foi construído, obtido através de testes laboratoriais, seguindo a volumetria e formato dos elementos originais encontrados.

Rejuntes foram refeitos, oxidações foram removidas e processos de corrosão, interrompidos. A fachada passou por uma limpeza com jateamento de água, remoção mecânica e química de resíduos e pintura com tinta látex.

Todo o projeto foi valorizado com a implementação do projeto luminotécnico criado pelo Engenheiro Plínio Godoy, que instalou 47 arandelas com lâmpadas de vapor metálico e 36 projetores com lâmpadas fluorescentes, permitindo o realce do entablamento, capitéis ornamentados (topos das colunas) e mísulas, características arquitetônicas que remetem ao estilo neoclássico, predominante no centro paulistano da primeira metade do século XX.

Veja algumas imagens: